Cities

A lenda da corrida em escadas: a aposta de bar que virou fenômeno esportivo internacional

Algumas pessoas reclamam quando precisam subir mais que alguns lances de escadas. Outras buscam ansiosamente oportunidades de subir correndo alguns dos arranha-céus mais altos do mundo – este é o grupo seleto dos corredores de torres. Mas quando as pessoas começaram a apostar corrida subindo escadas, e como isso se tornou um esporte competitivo internacional? O Urban Hub entrevistou Michael Reichetzeder, cofundador e diretor esportivo da Towerrunning World Association.
Cities
Inteligentes por dentro e por fora - De muitas formas, o conceito de cidade inteligente não é nada mais que um bom planejamento urbano, que incorpora os avanços da tecnologia digital e novas formas de pensar aos conceitos de cidade antigos, de relacionamentos, comunidade, sustentabilidade ambiental, democracia participativa, boa governança e transparência.
5246 visualizações

Criado em 12/09/2019

Por que correr subindo escadas?

Como qualquer outro esporte de nicho, provavelmente os corredores de torres descobriram o esporte acidentalmente. Michael Reichetzeder, que também é corredor de torres, participou de maratonas como atleta amador desde 1984. Foi só em 1997 que ele decidiu participar do Donauturm Treppenlauf (Corrida das Escadas Torre do Danúbio) por insistência do irmão – e não conseguiu mais largar o esporte.

Reichetzeder (cofundador e diretor esportivo da Towerrunning World Association) depois fundou a Towerrunning World Association e atualmente compete em cinco a dez corridas de torres por ano.

“É um desejo natural humano tentar chegar ao topo. Corridas em escadas são uma forma muito eficiente de ganhar altitude, testar seus limites e atingir o ponto mais alto.”
Michael Reichetzeder

História antiga: da corrida em escadas para a corrida em torres

Segundo Reichetzeder (e uma descoberta recente nos arquivos históricos de Londres), o caso mais antigo registrado de uma corrida competitiva em escadas envolveu uma aposta entre alguns cavalheiros em uma taverna londrina em 24 de setembro de 1730. Os homens apostaram entre si se um barman poderia subir e descer correndo o Monumento ao Grande Incêndio de Londres, de 62 metros, em menos de três minutos. A corrida bem-sucedida desse homem, concluída em aproximadamente dois minutos e meio, marca o provável início de um esporte pouco documentado, mas nobre, que continua até hoje.

De acordo com a maioria das fontes, a primeira corrida de escadas moderna foi organizada pela Revue Sportive no Dia da Bastilha em 1903, na escada externa da Rue Foyatier em Paris. Essa corrida foi seguida pela primeira corrida em torre organizada em 1905, também em Paris. A Les Sports organizou uma competição de corrida na Torre Eiffel, popular o suficiente para ser seguida por outra corrida na Torre Eiffel em 1906. Infelizmente, não houve mais corridas na torre até a corrida em escadas La Verticale ser introduzida em 2015.

As corridas em escadas continuaram ao longo das décadas – a maioria sem registro – e não se popularizaram até a Empire State Building Run Up de Nova Iorque ser iniciada em 1978. Essa corrida continuou anualmente e muitas outras apareceram pelo mundo desde então.

De hobby online a associação internacional

Apenas dois anos após sua corrida em escadas inicial, Michael Reichetzeder começou a postar informações sobre corridas em escadas em seu site pessoal: “Naquela época, eu só consegui coletar informações de cerca de dez corridas diferentes, mas ainda era o maior recurso na internet, e os organizadores começaram a me procurar para listar seus eventos. O recurso continuou crescendo e, em 2001, lancei o domínio towerrunning.com”.

“Como os corredores de torres estão espalhados pelo mundo, muitos de nós nunca terão a oportunidade de competir diretamente. Então decidimos iniciar um sistema de pontos e criar um ranking global. O sistema de pontos mudou muito pelos anos. Antes nós o chamávamos de ‘Copa do Mundo’, mas agora é a ‘Towerrunning Tour’.”

Em muitos países, os atletas têm uma chance a mais de melhorar seus pontos ao participar da corrida do campeonato nacional de seus países. Em alguns anos especiais, os melhores corredores de escadas podem participar do Campeonato Europeu ou Mundial. Para organizar uma corrida de Campeonato Mundial, o organizador precisa convidar 30 dos maiores atletas do mundo. O próximo Campeonato Mundial está programado para maio de 2020, no Taipei 101.

Após os pontos serem dados para todas as corridas em uma temporada ou “tour”, os rankings finais são calculados e os campeões da Towerrunning Tour do ano são anunciados.

Campeonato na Torre de Teste da Elevator

Este ano marca uma estreia para o esporte: o primeiro campeonato nacional realizado em uma torre de teste de elevadores. Normalmente, a corrida do campeonato alemão é realizada na Messeturm em Frankfurt; mas este ano, ela será realizada na torre de teste da thyssenkrupp Elevator, em Rottweil. É a corrida em torre mais alta na Europa ocidental, com 1.390 degraus.

Com o status de campeonato nacional, participantes neste segundo ano da corrida na torre de teste de elevadores terão uma concorrência acirrada, já que o evento terá os melhores corredores de escadas de 15 países.

Niche sports need many smaller-scale supporters

Without the big-name sponsors that mainstream sports enjoy, the fate of tower running remains fragile and dependent on the help of many smaller supporters, according to Reichetzeder: “We used to have a lot of stair races in Austria, but many of the buildings that hosted them have been sold, and the new owners didn’t continue the tradition. So we don’t have as many opportunities to race as we used to.”

It seems hard to imagine that a new building owner would want to stop a local tradition that promotes sports and, essentially, increases the visibility and thus attractiveness of the building. But, of course, it is no easy task to organize such an event.

Tower runs should be seen as an opportunity. In the USA and UK, they are an opportunity to generate money for charities. In Europe and Asia, they are used as publicity events to boost the image of companies, buildings and cities. But, most of all, they are an effective means of promoting public health and rewarding the dedication and stamina it takes to train for and complete in a very difficult and extremely rewarding physical activity.

Image Credits

Taipei 101, photo by AngMoKio, taken from commons.wikimedia.com