Urbanization

O “The Interlace”, prédio do ano, dá uma nova direção para cidades

O equivalente ao Oscar do mundo da arquitetura, o “The World Architecture Festival”, ocorreu em Cingapura entre 4 e 6 de novembro de 2015. Um júri de arquitetos renomados deu o prêmio mais cobiçado, o “World Building of the Year”, ao OMA e a Ole Scheeren pelo “The Interlace” em Cingapura, o que exigiu vencer a acirrada concorrência de 338 outros finalistas.

O que exatamente faz dessa cidade horizontal-vertical “uma grande manifestação urbana” e um “agente de mudança”, como Sir Peter Cook, membro líder do júri, destacou? O URBAN HUB identifica os principais benefícios do design vencedor.   

Urbanization
Nossas cidades, nosso futuro - A urbanização, uma tendência que não mostra sinais de diminuição, mudará muito a forma como vivemos, trabalhamos e interagimos em nossas comunidades.
2327 visualizações

Criado em 12/05/2016

O design hexagonal é inconfundível visto de cima
O design hexagonal é inconfundível visto de cima – The Interlace by OMA/Ole Scheeren, Photo by: Iwan Baan

Aproveitando o espaço ao máximo

Como se coloca 1.040 apartamentos num local com oito hectares com um limite de altura de 24 andares? Muitos arquitetos simplesmente construiriam 12 torres com 24 andares cada. Ole Scheeren, o arquiteto chefe do The Interlace, fez algo diferente: ele dispôs 31 “blocos de construção” horizontalmente num arranjo hexagonal totalmente único, que fornece áreas verdes, espaços comunitários e vistas menos obstruídas dos arredores.

O resultado é um complexo residencial de 170.000 m2 projetado como uma “vila vertical”, que oferece moradia interconectada junto com espaços recreativos e sociais.

Prêmios ganhos pelo The Interlace:

  • World Building of the Year 2015
    (The World Architecture Festival)
  • 2014 Urban Habitat Award
    (Council of Tall Buildings and Urban Habitat)
  • Finalista do Best Tall Building Asia & Australasia 2014
    (Council of Tall Buildings and Urban Habitat)
  • Best of Best, Domestic Architecture
    (ICONIC Awards 2015)
  • Universal Design Mark Platinum 2014
    (Building and Construction Authority Singapore)
  • Green Mark GoldPLUS 2010
    (Building and Construction Authority Singapore)

“O The Interlace fornece uma abundância de espaços abertos e de oportunidades para interação social e atividades em grupo, oferecendo ao mesmo tempo espaços mais íntimos. Ele fomenta um senso de comunidade sem abrir mão de individualidade e privacidade.”

Ole Scheeren

Princípio, Escritório Ole Scheeren

 

O isolamento vertical se torna integração horizontal

O que diferencia o The Interlace dos demais é que ele não foi feito para quebrar nenhuma barreira técnica, mas sim para enfrentar importantes questões sociais. A ideia, de acordo com o arquiteto chefe Ole Scheeren, era não pensar em prédios como uma solução pontual para fornecer moradia, mas sim como um espaço no qual se cria um senso de comunidade.

A orientação horizontal dos blocos de apartamentos, junto com os espaços comunitários grandes e compartilhados, encoraja a interação e o compartilhamento de experiências em vez de silêncios desconfortáveis entre estranhos em elevadores lotados.

“Também ficamos orgulhosos em receber o prêmio Urban Habitat do Council on Tall Buildings and Urban Habitat”, diz Scheeren. “Em particular, ele afirma a contribuição do The Interlace para o domínio urbano e sua integração sustentável com o ambiente ao redor e o contexto social local.”

Preso numa floresta de torres? Não com o The Interlace.
Preso numa floresta de torres? Não com o The Interlace. By OMA/Ole Scheeren

Características que criam tendências

Talvez uma das características mais impressionantes seja as áreas externas que o arranjo hexagonal cria. Os hexágonos criam três pátios temáticos que fornecem espaço para comunidade, esportes e atividades familiares. E o que poderia ter sido uma via antiestética para o acesso de caminhões de bombeiros foi “camuflada” como um trecho de um quilômetro para ciclistas e corredores.

Quando os ventos predominantes sopram pelos pátios permeáveis, eles passam primeiro por piscinas ou lagos artificiais que criam microclimas mais frescos, que também se beneficiam de uma cobertura de sombras ideal fornecida pelos próprios prédios. O empilhamento dos blocos de apartamentos fornece espaço para vários jardins de telhado, multiplicando assim as áreas verdes e os espaços sociais.

Várias matérias sobre o The Interlace têm nomes como “Moradia de luxo em Cingapura”, mas tais artigos deixaram de ver um dos princípios principais do projeto: fornecer habitação social acessível. Mas com todas essas comodidades, o engano com certeza é compreensível.

The Interlace by OMA/Ole Scheeren
Uma amostra dos benefícios para os residentes do Interlace

Arquitetura reconectando pessoas e natureza

Localizada numa ilha e enfrentando uma população que cresce rapidamente, Cingapura depende muito da construção de torres para fornecer moradia suficiente para seus moradores. Na verdade, o horizonte é muito dominado por prédios altos.

No entanto, uma vista de cima revela uma Cingapura exuberante e verde, bem o que se esperaria de uma ilha tropical. Com o The Interlace, o arquiteto Ole Scheeren encontrou uma forma de conectar as pessoas com a natureza ao redor e entre si, de uma forma que não é possível com torres de estilo internacional.

Desde o começo, o design foi feito para atender a necessidades sociais. Para Cingapura, isso significou criar a conexão e a integração ambiental de uma vila, oferecendo ao mesmo tempo uma solução habitável para a alta densidade demográfica. Levar em consideração a direção do vento e os trajetos do sol também ajuda a lidar com o calor tropical frequentemente intenso. Apesar de o The Interlace ser uma solução muito local, sua abordagem social/ambiental é aplicável internacionalmente.

“A noção de vida comunitária dentro de uma vila contemporânea está enfatizada em cada aspecto do The Interlace.”

Ole Scheeren – Princípio, Escritório Ole Scheeren

Fartura de atividades que criam uma comunidade
Fartura de atividades que criam uma comunidade – The Interlace by OMA/Ole Scheeren

Como otimizar o movimento humano dentro do próximo Interlace?

O The Interlace poderia muito bem iniciar uma tendência arquitetônica internacional. Se isso ocorrer, é difícil imaginar como versões futuras do design podem melhorar o protótipo: no entanto, uma possível melhoria poderia focar em como as pessoas se locomovem nos entornos e dentro dos prédios.

Com conexões horizontais e verticais entre várias partes do The Interlace, um elevador que também pode se mover horizontalmente melhoraria muito o fluxo de pessoas.

Num complexo de prédios como o The Interlace, o elevador MULTI poderia ir de uma estrutura a outra horizontalmente, verticalmente e em um circuito contínuo. Isso significaria que, não importa onde você estivesse dentro do complexo, o elevador mais próximo poderia levá-lo a qualquer lugar onde você precisasse ir.

O The Interface lembra uma vila numa encosta
O The Interface lembra uma vila numa encosta

Lições aprendidas

Uma grande lição ensinada por esse projeto é que você pode começar com vários requisitos técnicos mas, mesmo assim, levar em conta considerações sociais, ambientais e estéticas.

O The Interlace é mais uma prova de que é possível oferecer moradia acessível num mercado competitivo com tantas comodidades, junto com um alto nível de interconectividade e uma excelente qualidade de vida. Principal lição aprendida: viver num ambiente urbano denso não precisa significar isolamento numa torre.

“Esse projeto foi feito para encontrar um modo de vida diferente num contexto dominado por soluções padrão.”

Ole Scheeren – Princípio, Escritório Ole Scheeren

The Interlace

The Interlace by OMA/Ole Scheeren, Photos by: Iwan Baan

O The Interlace é uma das muitas obras-primas de Ole Scheeren

®