Urbanization

Crescimento além dos desafios da densidade urbana

As cidades crescem continuamente. As populações se expandem quase da noite para o dia, dando origem a questões relacionadas à sustentabilidade, habitabilidade e demanda por recursos e espaço. Há populações urbanas que se propagam para a periferia, outras se mantém concentradas ao redor do centro da cidade. 

A teoria da urbanização analisa o deslocamento demográfico para as cidades, acompanhando cautelosamente os números, a densidade populacional e a distribuição, e como uma cidade se expande no sentido horizontal ou “vertical”. Ela também frequentemente considera a ocupação urbana como sendo uma oportunidade de aderir aos avanços na construção vertical, oferecendo maiores oportunidades econômicas. 

Urbanization
Nossas cidades, nosso futuro - A urbanização, uma tendência que não mostra sinais de diminuição, mudará muito a forma como vivemos, trabalhamos e interagimos em nossas comunidades.
1392 visualizações

Criado em 10/03/2016

Vida urbana populosa

Ao falar do crescimento dos centros urbanos, discutem-se diversos fatores, tais como infraestrutura, modernização, sustentabilidade e serviços públicos. Muitos planejadores urbanos consideram que o tamanho e a densidade da população são determinantes do crescimento ou declínio econômico de uma cidade. 

A densidade populacional se refere ao número de habitantes por quilômetro (ou milha) quadrado(a) em determinada área. Ainda assim, para alguns, cidades densamente habitadas lembram multidões indomáveis e condições de vida inviáveis. Mesmo assim, planejadores urbanos veem oportunidades na densidade populacional e salientam que a “densidade urbana” também pode democratizar o acesso ao progresso e ao crescimento. 

 

 

Quanto mais melhor?

Alguns teóricos da urbanização acreditam que cidades mais densamente habitadas têm grande potencial para serem mais produtivas, inovadoras e autossuficientes em termos de energia. 

Mas não se pode ignorar que algumas das cidades mais densamente habitadas no mundo também estão entre as mais pobres. Então, como poderia a densidade oferecer maiores chances de desenvolvimento em vez de estagnação? É simples: a alta densidade favorece a interação humana que é o coração da inovação econômica.

As estatísticas sugerem que locais mais densamente habitados oferecem maior mobilidade econômica. A probabilidade de ascensão a um novo patamar econômico é maior na cidade de Nova York do que em um subúrbio isolado. Simplesmente, em cidades densas e modernas há mais cenários e uma melhor infraestrutura para acessá-los e uma rede eficiente para usá-los.

A densidade vertical faz a diferença

Sim. Prédios mais altos mantém baixos os preços do aluguel e da energia. Restringir a densidade vertical causa a alta de preços, e menos pessoas podem arcar com o custo de uma vida confortável. Consequentemente, a densidade vertical é benéfica para o planeta.

Tomemos o exemplo de Mumbai. As limitações impostas ao desenvolvimento vertical mantiveram a escassez e a carestia dos imóveis e a desconexão a uma infraestrutura maior. Singapura, comparativamente, tem um centro repleto de arranha-céus. Hong Kong, que é ainda mais verticalizada, conseguiu combinar, com sucesso, a densidade vertical com ruas adaptadas aos pedestres e passarelas.

Ao associar habitações verticais a um transporte excepcional, a redes energéticas eficientes e a áreas verdes, as cidades podem obter o máximo de sua grande população e mais habitantes podem aproveitar melhor a sua cidade. 

The Imperial Towers Mumbai

O efeito desfiladeiro

Todo mundo já caminhou ao longo de um paredão de prédios desprovido de circulação por horas. Esse tipo de expansão para cima, se exagerada, isola os ocupantes e os residentes, em vez de fomentar inovações. 

O crescimento vertical deve dar atenção também ao nível do chão. Deve-se oferecer excelente mobilidade dentro dos edifícios que devem estar bem conectados à infraestrutura local. A mobilidade predial eficiente garante que até mesmo os andares superiores possam ser locais atraentes e vantajosos para se morar. 

Arranha-céus devem motivar a adesão das pessoas, mas sem isolá-las ou colocá-las em segundo plano.

Number of skyscrapers in urban centers
Vertical density of cities compared by number of skyscrapers

Densidade vertical destinada à revitalização das cidades

Não há dúvida de que cidades devem crescer verticalmente para acomodar populações densas. A experiência nos mostra que alta densidade sem prédios altos é inviável.

Obviamente, é possível tomar medidas que ajudem a garantir que uma cidade não perca sua essência em meio a uma floresta de edifícios. Tomemos o exemplo de Paris. Ela é mais densamente habitada que Manhattan, tendo aos poucos inserido arranha-céus em seu planejamento urbano. 

Prédios altos dão um novo ânimo a cidades populosas, criando espaço para paisagens urbanas diversificadas. Em vez de estagnar o crescimento, é possível usar a densidade vertical para abrilhantar novas ideias e manter a vitalidade de megacidades.

Hong Kong: The city with highest vertical density

Credits

Image 1: Sao Paulo by Flickr User Deni Williams
Image 2: Mumbai Imperial Tower, by Krupasindhu Muduli (Own work) [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons
Image 3: Hong Kong by Flickr User eGuide Travel, Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)