Urban Lifestyle

Arquitetura impressionante: top 10 dos edifícios universitários urbanos estilosos

Universidades e cidades têm uma relação especial. As universidades enriquecem as cidades, atraindo jovens inteligentes e intelectuais conceituados de todo o mundo, além de estabelecerem parcerias de pesquisa com empresas locais. As universidades também frequentemente adicionam um toque extra às cidades que as hospedam: beleza e marcos arquitetônicos.

Com sua riqueza de belos edifícios e paisagens, é fácil entender por que, muitas vezes, os turistas visitam as universidades locais quando estão em uma cidade nova. Abaixo, fazemos um tour por alguns dos edifícios universitários mais impressionantes, que contam com uma arquitetura única, em cidades de todo o mundo.

Urban Lifestyle
An urban lifestyle for the future -  By first recognizing the impact of our city lifestyles, we can pave the path for sustainable economic development and a brighter, greener future.
467 visualizações

Criado em 07/02/2018

Edifícios de alto nível para uma educação superior

A íntima relação entre cidade e universidade, pessoas e educação superior é, muitas vezes, melhor expressada pelos edifícios de um campus. Esses exemplos mostram como as universidades procuram unir o design tradicional com as mudanças progressivas. Além disso, esses desenhos modernos frequentemente apresentam transparência e diversidade, simbolizando a necessidade de preservar a acessibilidade à educação superior para todos. Não é de se surpreender que alguns dos marcos urbanos mais impressionantes sejam encontrados nas intersecções e espaços de aprendizado.

Edifício Peter B. Lewis, Case Western Reserve University – CWRU (Cleveland, Ohio, EUA)

Talvez os leitores reconheçam o estilo característico do arquiteto do Museu Guggenheim em Bilbao, Espanha. Frank Gehry é conhecido por suas formas curvilíneas de metal nos edifícios que projeta. Este prédio é tão surpreendente que convenceu a universidade a adicionar a metodologia de desenho como matéria no treinamento de gestão e a encorajar a criatividade não convencional. Alguns dizem que ele até causou uma renascença na CWRU.

CRWU entrou no século 21 em ondas de aço inoxidável

Biblioteca Central, Universidade Nacional Autônoma do México (Cidade do México, México)

A Biblioteca Central da Universidade Nacional Autônoma do México é decorada com um mural tão bonito do artista Juan O’Gorman que o edifício foi declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO. Embora o design do edifício em si não seja extraordinário, ele representa uma manifestação do poder da arte.

A história mexicana transforma-se em arte atemporal

Instituto Real de Tecnologia de Melbourne, Faculdade de Administração (Melbourne, Austrália)

À primeira vista, o Edifício Swanston Academic paira por trás dos edifícios tradicionais, praticamente os engolindo. O layout do prédio, entretanto, tem um aspecto unificador. Os designers mapearam linhas a partir do local até os principais pontos dos arredores e as utilizou para criar um algoritmo computadorizado que gerou as formas 3D e os portais do edifício. A partir de quase qualquer posição estratégica, os estudantes têm uma conexão com a cidade.

O centro de Melbourne recebe uma nova inovação arquitetônica

Centro Educacional Roy and Diana Vagelos, Universidade Columbia (Cidade de Nova York, EUA)

Criado por Diller Scofidio + Renfro, o edifício de 14 andares de aço, vidro e concreto da Universidade Columbia apresenta como destaque uma escadaria, cujas laterais projetam-se para fora da fachada de vidro.

Estudantes de medicina na Universidade Columbia estudam com estilo

Campus Luigi Einaudi, Universidade de Turim (Turim, Itália)

Dois edifícios conectados, unidos sob uma cobertura e ao redor de um pátio central; o design de Norman Foster é uma visão contemporânea do quadrângulo ou “quad” frequentemente encontrado em campi universitários tradicionais. A conclusão do edifício regenerou uma zona industrial às margens do Rio Dora e a construção inclui uma ponte que a conecta ao centro histórico.

Um quadrângulo não quadrilateral para alegrar o campus

Instituto Issam Fares de Políticas Públicas e Assuntos Internacionais Universidade Americana de Beirute (Beirute, Líbano)

Muitas das instalações do IFI parecem flutuar sobre os pátios de entrada, dando ao edifício uma certa leveza, porém mantendo grande parte da estrutura como um ponto de encontro. Todo o local foi projetado para promover a interação: os caminhos elevados e as formas geométricas interligadas do prédio ressaltam o simbolismo das rotas cruzadas entre estudo e pensamento.

Leveza geométrica oferece inspiração em Beirute

Biblioteca de Filologia, Universidade Livre de Berlim (Berlim, Alemanha)

Esta biblioteca, que é outro design de Norman Foster, pertence ao complexo existente “Rust and Silver Lodges” no campus principal. Projetado no formato de um cérebro humano, incluindo dois hemisférios, ele abriga as bibliotecas de inúmeras coleções da área de humanas.

O “cérebro”, a parte traseira arredondada da Biblioteca de Filologia

Centro de Mídia Criativa Run Run Shaw, Universidade da Cidade de Hong Kong (Hong Kong, China)

As formas cristalinas deste edifício – projetado por Daniel Libeskind e nomeado em homenagem ao fundador do Shaw Brothers Studio – também podem ser encontradas no design das janelas, portas e padrões de iluminação. Os diversos formatos e espaços geométricos variam em forma, iluminação e material, destinados a incentivar a colaboração e criatividade nos novos departamentos de mídia.

O moderno centro para estudos midiáticos de Hong Kong

Edifício Wabash, Universidade Roosevelt (Chicago, EUA)

Embora seja “somente” o quarto edifício universitário mais alto do mundo (aproximadamente 143 metros), talvez seja o mais bonito – para os fãs de arquitetura moderna, pelo menos. Nesse prédio de última geração, sustentável e com certificação LEED, as linhas fluidas modernas ainda abrem espaço para a fachada histórica do Anexo de Belas Artes.

Universidade tecnológica Nanyang (Cingapura)

O Heatherwick Studio projetou este Centro de Ensino – também conhecido como “The Hive” ou A Colmeia, em português – para criar uma ideia de comunidade. Para isso, eles eliminaram corredores, introduziram salas de aula circulares e permitiram a entrada de muita luz natural e áreas verdes. É possível entrar nesse edifício a partir de qualquer local do andar térreo, que consiste em um amplo espaço aberto, conectando e unificando todas as torres em formato de colmeias.

The Hive: salas de aula circulares, nenhum corredor e muita luz