Technology

De olho na Globalização 4.0 – sobrevivendo e prosperando na próxima era de mudanças

Todos acreditam no valor da educação e treinamento. E, embora muitas pessoas busquem o aprendizado por interesse próprio, a maioria de nós faz treinamentos para fins profissionais. No entanto, as coisas estão mudando rapidamente no mundo do trabalho. Na verdade, o que muitos chamam de Globalização 4.0 vai apenas aumentar a demanda por novas habilidades, enquanto as antigas vão se tornando irrelevantes. O que isso vai significar para candidatos a emprego e colaboradores?
Technology
Usando menos recursos para uma mudança maior - O que faz o mundo evoluir? Tecnologia inovadora. E nas áreas de mobilidade, construção, energia e fabricação, são principalmente as inovações ecológicas que estão mudando a forma das pessoas interagirem com o meio ambiente e formá-lo.
188 visualizações

Criado em 02/05/2019

Globalização 4.0 em contexto. Como chegamos aqui?

A globalização moderna (1.0) começou no século XIX paralelamente à Revolução Industrial. Navios a vapor transoceânicos, os canais do Panamá e de Suez, cabos subaquáticos de telégrafos e estradas de ferro aproximaram o mundo e lançaram uma onda explosiva de comércio de matérias-primas e produtos. A Globalização 1.0 terminou com a Primeira Guerra Mundial.

A Globalização 2.0 se iniciou depois da Segunda Guerra Mundial. Ela se caracterizou pela regulamentação das relações globais (ONU, FMI e Banco Mundial) e do comércio (Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio), expansão de infraestruturas (por exemplo, o Sistema Interestadual de Autoestradas dos Estados Unidos), massificação de novas tecnologias (por exemplo, aviões) e padronização (como contêineres de transporte).

Este período também se concentrou em melhorar muitos dos aspectos negativos e excessos da primeira fase de globalização (através de taxação progressiva, investimento público, descolonização, assistência ao desenvolvimento e reconstrução no pós-guerra) para fornecer melhores estabilizadores sociais e apoio.

“A Globalização 4.0 apenas começou, mas já estamos muito despreparados para ela. Apegar-se a uma mentalidade ultrapassada e ajustar os nossos processos e instituições existentes não basta.”
Klaus Schwab, Fundador, Fórum Econômico Mundial

O fim da era atual: Globalização 3.0

A Globalização 3.0 – também chamada de era da hiperglobalização – começou no início da década de 1990. Ela se parecia com a fase 1.0, em que revoluções em tecnologia (o computador, a Internet e dispositivos digitais) levaram a tipos e níveis de comércio completamente novos.

A Globalização 3.0 foi definida pela abertura das barreiras do comércio e por um maior acesso aos serviços pela Internet em nível local, nacional e internacional. No entanto, isso levou a algumas tensões políticas e sociais, e talvez até à crise de 2007-2008. Mas agora, conforme nos aproximamos do fim daquela era, a conectividade universal e sem precedentes de dados e o potencial de Big Data podem ser o despontar de uma promissora nova era que corresponde à transição da terceira para a quarta Revolução Industrial.

Typewriter
Macintosh
Mac

O começo do futuro: Globalização 4.0

Globalização 4.0 é o nome do que está por vir. Muitas pessoas não ouviram o termo antes, mas ele reflete o impacto da megatendência tecnológica da Quarta Revolução Industrial – 4RI ou Indústria 4.0.

A próxima onda da tecnologia está impulsionando um grande avanço nas nossas habilidades para organizar a vida humana, incluindo negócios e comércio. Esses avanços, como redes de banda larga de alta velocidade (especialmente 5G), a Internet das Coisas (IoT ou Internet of Things), Inteligência Artificial (IA) e robótica avançada já estabeleceram uma base sólida para o nosso futuro.

A Globalização 4.0 está chegando, gostemos disso ou não. Na realidade, ela já chegou. A única questão é se vamos tentar ativamente usá-la, ou perder esta oportunidade de melhorar o planeta – e enfrentar as consequências.

Industrial Revolutions

O impacto da Globalização 4.0

Não é surpresa que a Globalização 4.0 tenha diferentes significados para muitas pessoas. A esperança é que a Globalização 3.0 aprenda com o passado para se conectar de maneira fácil e tranquila à 4.0, reformando o máximo possível, assim como a 2.0 reformou a 1.0 e evitando as interrupções que aconteceram entre 1914 e 1945.

O medo é que a 4.0 será simplesmente uma continuação da 3.0 no que ela teve de pior, com enormes perdas de empregos administrativos devido à “globótica” de IA automatizada e com uma grande redução de salários.

De qualquer maneira, a boa notícia é que a Globalização 4.0 pode ajudar a unir o mundo e as pessoas. No entanto, ela representa um desafio muito real que irá exigir muita iniciativa e esforço de governos, empresas e indivíduos. Não podemos simplesmente assistir e esperar. Precisamos agir. Mas como?

Navegando melhor com um roteiro

A solução é usar um simples itinerário da Globalização 4.0, mostrando como devemos influenciar e administrar ativamente esta mudança. Este avanço deve incorporar as ideias reformadas da Globalização 2.0, impulsionadas pelas lições sociais, culturais e psicológicas que aprendemos desde a década de 1950.

Isso significa que precisamos criar uma nova arquitetura global de instituições, leis e normas que afetam o comércio, o desenvolvimento, os empregos e os direitos humanos. O objetivo deve ser ampliar o significado de “lucro” para dar espaço a uma maior ênfase em justiça, inclusão, distribuição igualitária de benefícios e sustentabilidade.

O fato é que estamos em uma encruzilhada onde só podemos enfrentar os desafios globais trabalhando juntos. Dessa forma, podemos reduzir o medo e colher a esperança.

“Vivemos em um mundo onde todas as grandes questões... se tornaram, por definição, transnacionais.”

Parag Khanna, especialista em relações internacionais

Globalização 4.0 e o mundo do trabalho

Não importa o que façamos, o futuro para empregos não especializados é sombrio. Mas a Globalização 4.0 também vai dar nova forma a empregos de escritório e dos setores de serviços e industrial, de maneira muito similar a como os empregos em fábricas foram afetados em outros tempos. Isto é, externalização e automação estão chegando em todas as áreas, desde serviços de garçons e construção até advocacia e arquitetura.

Ao mesmo tempo, as empresas estão paradoxalmente soando o alarme de que não conseguem encontrar trabalhadores especializados suficientes para os empregos atuais. E estão ainda mais preocupadas em encontrar trabalhadores para os muitos empregos especializados que ainda não apareceram.

Isso coloca uma imensa responsabilidade sobre os governantes. Por exemplo, as garantias de flexibilidade e segurança de salários de empregos bancadas pelo estado precisarão ser expandidas para manter a estabilidade social e incentivar a aceitação tecnológica. E os governos e empresas precisarão trabalhar mais de perto na área do retreinamento e recapacitação de trabalhadores antigos.

Continued Learning

Prepare-se para aprender

Na verdade, o treinamento para os mercados de trabalho em transformação será essencial. O URBAN HUB cobriu anteriormente muitas das maneiras em que empresas, governos, associações e indivíduos podem se preparar para o futuro do trabalho.

Vários aspectos se destacam:

  • Abrace a ideia da educação permanente
  • Aprenda novas habilidades digitais
  • Cultive pensamento crítico, criativo e flexível
  • Desenvolva habilidades emocionais (soft skills), como empatia, sensitividade, colaboração e paixão, especialmente incentivando as pessoas a dedicarem tempo como voluntárias para causas dignas.

Em tudo isso, programas de treinamento escolares e corporativos são importantes. Igualmente importante é garantir que os jovens possam fazer facilmente a transição da escola para o trabalho. O desemprego juvenil é um escândalo global, forçando milhões de jovens a começar uma espera prolongada justamente quando sua energia e criatividade estão no seu ápice – aumentando a probabilidade de que eles permanecerão excluídos.

Soft Skills

Colocando mãos à obra!

Administrar a Globalização 4.0 será um desafio, mas quanto melhor gerenciarmos a mudança, maiores serão os benefícios. Treinar para o nosso futuro é uma maneira vital para que as empresas possam fornecer tanto liderança de pensamento quanto ação decisiva, e através da qual cada pessoa pode se preparar e participar.

A thyssenkrupp Elevator está treinando para o futuro

Como a maioria das empresas de sucesso, a thyssenkrupp Elevator oferece aos seus colaboradores uma grande variedade de oportunidades de treinamento. Muitas delas são administradas através da sua rede global de “campus SEED”, e ajudam a garantir que os colaboradores permaneçam em dia com as tecnologias digitais, produtos e segurança, bem como habilitá-los a praticar soft skills como trabalho em equipe e assistência.

Hololens

Tecnologia de ponta

Usar novas tecnologias em treinamento ajuda. A thyssenkrupp Elevator foi rápida para adaptar inovações digitais ao seu treinamento corporativo. Por exemplo, os campus SEED oferecem treinamento com base em realidade virtual que permite que técnicos pratiquem novas habilidades sem riscos físicos. RV e RA também são usadas pela empresa no treinamento para uma fabricação e produção eficientes, bem como para “treinar” clientes de cadeira elevatória e elevador doméstico a planejar e visualizar como esses produtos se encaixariam em seus lares.

Combinando aprendizado com ensino

A thyssenkrupp Elevator também oferece aos colaboradores uma oportunidade única de combinar aprendizado e ensino. O Projeto SEED atualmente permite que os colaboradores usem seu horário de trabalho para praticar suas habilidades como instrutores em cinco países: Colômbia, Brasil, Índia, Uruguai e Tailândia.

Alguma coisa para todos

O objetivo primário do projeto é ajudar jovens desempregados a fazer uma transição bem-sucedida para se tornarem adultos com um emprego. O Projeto SEED oferece a esses jovens acesso a habilidades e mentores que os ajudem a cruzar essa ponte. O treinamento inclui muitas das habilidades que serão necessárias para uma adaptação de sucesso na Globalização 4.0, incluindo trabalho em equipe, colaboração e pensamento criativo.

Image Credits

Typewriter, photo by Bernard Hermant, taken from unsplash.com

MacIntosh Plus, photo by Rama, taken from commons.wikimedia.org, Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.0 France

Mac laptop, photo by Kari Shea, taken from unsplash.com

1st Revolution, photo by Mellahn, taken from commons.wikimedia.org, Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Germany 

2nd Revolution, photo by USAF, taken from commons.wikimedia.org

3rd Revolution, photo by Steve Jurvetson, taken from commons.wikimedia.org, Creative Commons Attribution 2.0 Generic

Globalization 4.0, photo by geralt, taken from pixabay.com

World of Buildings, photo by Joshua Rawson-Harris, taken from unsplash.com

Crossing Highways, photo by Denys Nevozhai, taken from unsplash.com

Cafe Working, photo by Tim Gouw, taken from unsplash.com

Globalization 4.0 Soft Skills, photo by Helloquence, taken from unsplash.com