Sustainability

Orlas urbanas: o planejamento de Dan Hodapp para um trecho de 12 km de São Francisco

São Francisco funciona como um porto desde sua fundação em 1863 após a Corrida do Ouro na Califórnia. A finalização de um quebra-mar em 1914 garantiu seu futuro como orla e evitou que a baía virasse um terreno. Desde então, a transformação da cidade em uma grande metrópole deve-se, em grande parte, a seu excelente porto e sua orla.

Entretanto, as demandas mudaram ao longo dos anos e, em 1997, o Porto de São Francisco embarcou em um projeto de longo prazo para sua revitalização. O desafio era permanecer fiel a seu passado e ao papel central que desempenhou no crescimento de São Francisco, mas, ao mesmo tempo, modernizá-lo para ficar alinhado ao século 21 e às necessidades atuais da cidade.

Eis, então, que surge Dan Hodapp – Planejador da Orla e Designer Urbano Sênior. Ele trabalha para integrar a história do porto às novas demandas – e também evitar níveis altos do mar. O planejamento urbano moderno e a tecnologia prepararam o caminho, no entanto, Hodapp acredita que o sucesso da revitalização da orla de São Francisco depende muito das pessoas.

Sustainability
Garantindo um futuro ecológico - O desenvolvimento ambiental sustentável usa conceitos de poucos resíduos, baixo consumo e a migração para recursos ecológicos e ambientalmente sustentáveis, como energia solar e eólica ou materiais que podem constantemente passar por upcycling.
1472 visualizações

Criado em 18/10/2017

"O Porto de São Francisco é uma coleção diversificada de finalidades concentrada em um estreito trecho de terra. Outros portos têm muitas das mesmas utilidades e problemas, e o desejo do público de estar perto da água na cidade continua a crescer em todo o mundo."

Dan Hodapp, Planejador da Orla e Designer Urbano Sênior, Porto de São Francisco.

O porto e a cidade – um breve relato

A Corrida do Ouro da Califórnia em 1849 transformou São Francisco em uma cidade de rápida expansão. As pessoas migraram para a Califórnia de todas as partes do mundo para tentar a sorte nas minas de ouro de Sierra Nevada. Muitas delas chegaram no porto natural da Baía de São Francisco de barco.

Conforme as pessoas chegavam, muitas ficavam. Casas, negócios e cais surgiram, assim como as disputas por propriedades de terras e direitos de construção. O planejamento urbano consciente estava constantemente sob ameaça de interesses privados, violência e corrupção. O Porto de São Francisco foi formado em 1863 para trazer ordem ao caos.

Parte da ordem era criar um quebra-mar adequado, cuja construção começou imediatamente. Mas levou mais de 50 anos e foi finalizado em 1914. O quebra-mar definitivamente introduziu uma nova era de desenvolvimento organizado, e muitos dos edifícios da orla ainda existentes construídos nessa época agora são considerados patrimônios históricos nacionais.

Um porto histórico ganha um formato moderno

Para Dan Hodapp, o Porto é uma entidade viva e sua história é uma parte orgânica da cidade. Seu empregador – o Porto de São Francisco – foi encarregado por São Francisco e o estado da Califórnia, contando com uma gestão tripla da orla, de:

  • Propiciar o comércio marítimo, navegação e pesca
  • Proteger os recursos naturais e culturais
  • Oferecer instalações que atraiam as pessoas para a orla

Com o passar do tempo, o Porto também reconheceu a necessidade de modernização. As mudanças no comércio marítimo – principalmente o aumento do transporte de contêineres – resultaram na mudança do manuseio de cargas para áreas menos movimentadas da baía. Enquanto isso, pontes, o maior uso de carros e os serviços de transporte em trilhos reduziram o número de balsas necessárias no Porto.

Sendo assim, o Porto adotou seu primeiro plano de design urbano, passando de área histórica de carga marítima para uma orla com diversos fins:

  • Área comercial que surgiu no desembarque das balsas
  • Embarcação de pesquisa que transformou-se em um novo museu de ciências
  • Serviços portuários que operam junto com novos empreendimentos

A orla e o porto continuam sendo um trabalho em andamento, constantemente adaptando-se a novos desejos e desafios, por meio da colaboração exclusiva com o povo de São Francisco.

"Uma boa orla deve ser semelhante a uma boa cidade. Deve ter várias utilidades, oportunidades e ser capaz de atender à forma que a cidade funciona – além de ser democrática, permitindo o acesso de todos para utilizar seus espaços públicos."

Dan Hodapp, Planejador da Orla e Designer Urbano Sênior, Porto de São Francisco.

 

O Porto de São Francisco procura ativamente ouvir a opinião dos residentes, especialistas e comerciantes urbanos. O resultado é um desenvolvimento sempre crescente de espaços multifuncionais que são popularmente enraizados e arquitetonicamente integrados à cidade.

As pessoas vão para a orla – para transformar

Os planos para a orla estão em progresso há mais de vinte anos, principalmente porque foram desenvolvidos em colaboração com o público e os stakeholders da orla. Os residentes de São Francisco quiseram participar da mudança – ver a autenticidade histórica, mas também aproveitar a orla.

O público tinha uma clara visão de como eles queriam utilizar a orla e, uma vez que perceberam as realidades financeiras e regulamentares de operação do Porto, tiveram ideias originais para fazer isso. A relação simbiótica entre os habitantes e o processo de planejamento facilitou a arrecadação de fundos necessários para o porto transformar os espaços abertos.

Qual é o próximo passo? Os planos estão sendo atualizados para levar em consideração as mudanças climáticas. Com o surgimento dos riscos de grandes terremotos e enchentes, os residentes tiveram que aprimorar suas iniciativas. O Porto formou um grupo de trabalho “WP Working Group” composto de representantes do público, incluindo pessoas com habilidades marítimas, de engenharia, finanças, análise de risco, espaços abertos públicos e/ou design urbano.

Agora, a equipe irá integrar novos conhecimentos e ideias para desenvolver uma política e um plano que atendam às mudanças nas condições e as novas expectativas do público para a orla. Nos próximos meses, o grupo adicionará um nível mais refinado de políticas para as questões de design urbano, transporte e espaços públicos.

 

A democracia exige tempo e esforço. Este vídeo mostra uma Oficina de visão da orla portuária e apresenta um bom exemplo do processo público “Atualização do plano de uso da área da orla” que o Porto de São Francisco utiliza para garantir que todas as vozes sejam ouvidas.

A receita do residente de São Francisco Dan Hodapp para criar boas orlas urbanas

Ingrediente 1: continuidade
Ofereça uma orla acessível para pedestres contínua ao longo de toda a costa.

Ingrediente 2: sequência
Pontue a orla com um espaço público a cada intervalo de cinco a sete minutos de caminhada.

Ingrediente 3: variedade
Conecte cada um desses espaços públicos com sua área específica e sua vizinhança.

"(C)ada cidade precisa estudar o que (seu porto) possui que oferece um sentimento único do local dentro da cidade e aprender como seus habitantes gostariam de presenciar seu desenvolvimento. As orlas vão mudar drasticamente em qualquer cidade perto de um oceano e cada uma precisa entender o que isso vai significar para elas."

Dan Hodapp, Planejador da Orla e Designer Urbano Sênior, Porto de São Francisco.

De costa a costa – cidades costeiras criam laços

Dan Hodapp aprecia o urbanismo em parte devido aos desafios que estão sempre evoluindo. Muitas cidades enfrentam mudanças semelhantes, como antecipar as próximas ondas da revolução de mobilidade e transporte. São Francisco trabalha com afinco nessas questões com outras cidades portuárias do Pacífico dos EUA, como Portland e Seattle, bem como outras cidades costeiras, como a cidade de Nova York e Toronto.

São Francisco também discute regularmente com a Holanda, a líder de opinião sobre os efeitos da mudança climática sobre as cidades costeiras. Conforme os níveis do mar aumentam, o mesmo acontece com a necessidade de trabalhar em conjunto e compartilhar conhecimentos. O Porto de São Francisco permanecerá como projeto de interesse global para o planejamento de orlas, pois apresenta um bom modelo de como planejar o futuro com sabedoria.

“A orla de São Francisco terá um papel importante para a proteção da cidade contra marés crescentes bem como para o transporte local e regional. Essas funções precisam ser acrescentadas a praticamente qualquer orla juntamente com o suporte às responsabilidades marítimas e a capacidade de oferecer às pessoas a oportunidade de aproveitar a água.” –Dan Hodapp.

Grandes mudanças nas orlas do mundo

Um dos projetos urbanos mais comentados atualmente são as revitalizações das orlas. Abaixo, é possível conferir mais alguns exemplos, ilustrando uma grande variedade de desafios enfrentados pelas cidades com orlas.

  • Cidade portuária de Colombo, Sri Lanka: recuperando grandes faixas de terra do mar, o maior projeto de infraestrutura do Sri Lanka pretende tornar-se um cordão de segurança entre Ásia, África e Oriente Médio.
  • Projeto de revitalização do Hudson Yards, Nova York: maior desenvolvimento imobiliário privado dos Estados Unidos, o projeto é construído em 28 acres sobre uma estação ferroviária em funcionamento, 30 trilhos de trem ativos, três túneis de trilho e o novo Gateway Tunnel.
  • Projeto de desenvolvimento da zona ribeirinha do Ravi, Lahore: combina controle de enchentes e gestão de águas residuais em um novo capítulo da construção moderna para alavancar a economia da região.

O modelo de São Francisco – lições de navegação

Dan Hodapp e o modelo de São Francisco oferecem muita inspiração para outros desenvolvedores de orlas urbanas. Eles também apresentam princípios valiosos, como o envolvimento das pessoas afetadas pelo desenvolvimento. Isso não inclui apenas os habitantes e comerciantes da vizinhança, e sim todos da cidade com interesses e desejos relevantes.

Urbanistas capacitados entendem como equilibrar necessidades públicas e privadas ao mesmo tempo em que consideram a economia do desenvolvimento. Os planos devem ser específicos e autênticos em relação à história, geografia, arquitetura e vizinhança do local. A etapa essencial de envolver o público ajuda a esclarecer prioridades além de gerar aceitação, suporte e entusiasmo para o plano final.

O Porto de São Francisco também exemplifica outra verdade do planejamento urbano, de acordo com Dan Hodapp: boas regras governamentais de uso do terreno são essenciais. No caso de São Francisco, elas ajudaram a definir a fronteira leste da cidade para uma melhor utilização dos recursos. Elas oferecem a estrutura necessária para que a criatividade floresça.

Talvez essa seja outra lição de São Francisco: boas regras + participação pública = criatividade popular.

Você vive em uma cidade portuária? O que está acontecendo em sua orla? Compartilhe conosco nos comentários abaixo!

Image Credits:

Fisherman’s Wharf, taken from flickr.com, photo by Mobilus in Mobili, some rights reserved.

Pier 39, taken from flickr.com, photo by Ken Lund, some rights reserved.

San Francisco grid, taken from flickr.com, image by Kyle Harmon some rights reserved.

Hudson Yards Redevelopment Project, taken from kpf.com, KOHN PEDERSEN FOX ASSOCIATES PC. 

Ravi Riverfront Urban Development Project, taken from meinhardtgroup.com, Meinhardt Group.