Sustainability

Universidades e empresas se aproximam para criar colaborações que beneficiam a todos

Tanto as universidades quanto as empresas privadas conduzem pesquisas e desenvolvimento de alto nível tecnológico. Tradicionalmente, no entanto, suas motivações para isso são diferentes. As universidades encontram na pesquisa a principal forma de revelar novos conhecimentos, enquanto o objetivo primordial das empresas é a obtenção de lucro. Dois fatores estão aproximando esses dois tipos de instituição: as universidades tornaram-se mais empreendedoras em sua visão, e as empresas agora valorizam mais o conhecimento dos pesquisadores acadêmicos e sua forma de contribuição para o sucesso empresarial. Nos dias de hoje, a colaboração é essencial para levar as novas descobertas de pesquisas para os mercados competitivos.
Sustainability
Garantindo um futuro ecológico - O desenvolvimento ambiental sustentável usa conceitos de poucos resíduos, baixo consumo e a migração para recursos ecológicos e ambientalmente sustentáveis, como energia solar e eólica ou materiais que podem constantemente passar por upcycling.
1010 visualizações

Criado em 13/06/2018

“Como água e óleo, nunca se misturam”

Embora a história da parceria entre universidades e empresas se estenda por mais de 100 anos, ainda acredita-se que seus diferentes valores fundamentais possam impedir uma cooperação que seja vantajosa para ambas as partes. Ou seja, um pesquisador deseja compartilhar seus resultados com o público, e uma empresa deseja compartilhar produtos comercializáveis com seus consumidores.

Porém, uma análise mais detalhada dessa comparação revela mais pontos em comum do que diferenças. Enquanto as universidades se concentram em educação e novos conhecimentos, cada vez mais empresas constroem a ponte para ajudar a transformar as novas descobertas em coisas que as pessoas possam, de fato, usar. Quando retiradas da bolha acadêmica, as novas descobertas e tecnologias inovadoras florescem.

A chave para criar uma cooperação de sucesso entre universidade e empresa é o respeito mútuo pela área de conhecimento de cada uma. Também é importante compreender, desde cedo, os parâmetros e objetivos da pesquisa realizada no lado acadêmico e saber como os resultados serão compartilhados e usados no lado corporativo.

Duas cabeças pensam melhor do que uma

Por trás do desejo de criar colaborações sólidas entre universidades e empresas, está o fato de que há inúmeros desafios a serem superados no mundo moderno, seja na medicina, novas tecnologias ou nas ciências. Ou seja, é hora de reunir os recursos.

Antigamente, as universidades pediam doações corporativas ou bolsas de estudo patrocinadas pelo setor privado de forma bem fragmentada: pesquisador por pesquisador, projeto por projeto. Ou as empresas contratavam o trabalho de pesquisa para ajudar, por exemplo, com o licenciamento de patentes. Estes modelos representavam um risco mínimo para ambas as partes, mas tinham um escopo bem limitado.

Nos dias de hoje, a concorrência cada vez maior por conhecimento exige que ambos os setores ampliem a sua colaboração. O modelo de pesquisa contratada por transação precisa evoluir para se tornar um acordo de longo prazo e, agora, nós vemos novos modelos de parceria.

Modelos de parceria

Hoje, a pesquisa acadêmica é mais direcionada para a abordagem interdisciplinar. Ao criar instalações com base em uma área particular de pesquisa, divididas em vários departamentos e disciplinas, a universidade tem mais sucesso para atrair parceiros em potencial no setor privado que interessados em pesquisa colaborativa altamente especializada e de longo prazo.

O modelo da incubadora de empresas é um tema recente no cenário de colaboração entre universidades e empresas. Essa residência no campus para uma empresa permite que os parceiros do setor tenham um papel ativo na pesquisa universitária e também concede aos estudantes o acesso ao mundo profissional, ajudando a prepará-los para a fase que vem após os estudos.

O modelo da incubadora de empresas é um tema recente no cenário de colaboração entre universidades e empresas. Essa residência no campus para uma empresa permite que os parceiros do setor tenham um papel ativo na pesquisa universitária e também concede aos estudantes o acesso ao mundo profissional, ajudando a prepará-los para a fase que vem após os estudos.

Começando com o pé direito

As alianças estratégias de longo prazo em uma área específica de estudos estão cada vez mais se tornando a norma. Mas como criar uma parceria duradoura? Encontrar as pessoas certas é sempre um bom começo. Ambos os lados precisam encorajar líderes capazes de se aproximar e criar laços entre os mundos corporativo e universitário.

As empresas buscarão o chamado “Entrepreneur in Residence” (EIR) – a pessoa de contato em um campo de pesquisa com muita experiência e um histórico de sucesso em resultados comerciais. As universidades buscarão parceiros que entendam que o mais importante nem sempre são os lucros e o maior impacto possível sobre resultados.

O departamento de engenharia da Universidade de Northampton, Reino Unido, por exemplo, colabora com a thyssenkrupp Elevator na pesquisa de modelagem, vibrações e fluxos de ar. Muitas vezes, os gerentes de departamento e líderes de projetos são convidados a dar palestras sobre aplicações práticas ou sobre como transferir a teoria e as novas descobertas para o cenário industrial. Uma cooperação semelhante existe com a Georgia Tech nos EUA.

Por que a colaboração é o futuro

A colaboração – especialmente entre universidades e empresas – se tornará cada vez mais importante no futuro. Fatores como a escassez de recursos financeiros, concorrência entre as economias emergentes e os desenvolvimentos tecnológicos cada vez mais complexos tornam o cenário muito incerto para se explorar sozinho.

As empresas que não criarem pontes com o setor universitário acabarão perdendo o acesso a pesquisas inovadoras e novas descobertas comercializáveis. Além disso, elas não terão contato com estudantes que potencialmente se tornarão jovens profissionais e trarão uma abundância de novos conhecimentos para a empresa.

O mundo universitário agora vê os benefícios de se olhar além dos conhecimentos teóricos e ter um papel ativo para garantir a transformação de novos conhecimentos em aplicações práticas. Em vez de proteger a pesquisa, eles estão se tornando guardiões das colaborações com empresas que usam seus conhecimentos de mercado para trazer as novas descobertas para o público em aplicações práticas.

Image Credits:

Tech Tower closeup, photo by Brooke Novak, taken from flickr.com

University of Otago, photo by Ulrich Lange, taken by Wikimedia Commons