Energy Efficiency

Protegendo as cidades costeiras contra o aumento do nível do mar e as enchentes

Furacões devastadores no Texas e em Porto Rico, tufões violentos no sul da China, as piores enchentes causadas por monções em anos na Índia e em Bangladesh: ainda vai piorar? Infelizmente a resposta é sim. As condições meteorológicas extremas devem se intensificar e se tornar mais comuns nos próximos anos. Ao mesmo tempo, os níveis do mar vão continuar aumentando.

Tudo isso terá um efeito dramático na maioria das cidades do mundo. É possível fazer algo a esse respeito? Sim! A boa notícia é que muitas cidades já começaram a agir, combinando o bom senso com tecnologia de ponta para proteger seus moradores e espaços. Visite algumas delas com o URBAN HUB.

Energy Efficiency
Manter a energia e evitar o desperdício - A eficiência energética consiste em orientar pessoas sobre o consumo em associação a uma construção de prédios nova, melhorada e ecológica, que reduz a pegada ambiental de um centro urbano.
285 visualizações

Criado em 01/03/2018

O que está acontecendo?

A mudança climática é real. O aquecimento global causado pela atividade humana está derretendo o gelo polar. Isso coloca mais água nos oceanos do mundo – aumentando os níveis do mar – e perturba os padrões climáticos aos quais nós nos acostumamos. Mas isso é só uma parte do problema.

À medida que as cidades cresceram, muitas das áreas necessárias para filtrar a água pelo solo e de volta a rios, lagos e mares foram preenchidas e receberam construções. As estradas asfaltadas provocam a drenagem da água da chuva para bueiros e esgotos, que então ficam cheios e se entopem em situações extremas. Com o tempo, esta falta de planejamento urbano sustentável acabou criando uma situação insustentável.

O que pode ser feito? Exemplo de cidades que estão agindo

Muitas cidades começaram a experimentar soluções, testar novas tecnologias e servir de inspiração e exemplo viável para outras cidades. Uma delas é a cidade norte-americana de Chicago, Illinois. Os principais problemas de Chicago são a chuva e a neve, que devem aumentar em 40% até 2100.

Uma solução está sendo testada: a pavimentação permeável. A chuva e a água derretida são absorvidas por rochas porosas em que os micróbios integrados removem os poluentes. A água limpa é então direcionada para as estações próximas ou retornadas para o Lake Michigan, e 80% da precipitação é desviada do sistema de esgoto da cidade. A “via verde” mais ambiciosa até agora tem um comprimento de 3,2 quilômetros.

Cidades-esponja na China

Na China, o governo iniciou o desenvolvimento e construção de 16 “cidades-esponja”. O novo centro de Changde (população 1,3 milhão) terá ruas com canais – os chamados “eco-boulevards” – que permitem que a água das enchentes fluam naturalmente pela cidade sem afetar o cotidiano. As construções de alta densidade ficarão concentradas em terrenos um pouco mais elevados nesta bacia abaixo do nível do rio. A estratégia é trabalhar com a natureza, não contra ela.

O programa de proteção climática de Roterdã

Localizada no Mar do Norte, algumas partes de Roterdã, na Holanda, estão quase 7 metros abaixo do nível do mar. A cidade já conta com um sistema impressionante de diques, além da barreira contra tempestades Maeslantkering, de proporções gigantescas. Autoridades municipais agora embarcaram em um megaprojeto de vários anos que incorpora o fortalecimento dessas soluções “radicais”.

Mas o Programa de Proteção Climática de Roterdã também conta com uma série completa de medidas menos radicais, como a proteção dos pântanos e a plantação de mais árvores e outras plantas. As praças de água são outra medida que temporariamente coleta o escoamento da água de tempestade do ambiente construído nas adjacências. A praça de água Benthemplein, por exemplo, consegue armazenar 1.800 m3 de água.

 

O Maeslantkering possui dois braços do tamanho da Torre Eiffel que se fecham para proteger a cidade de Roterdã contra o aumento do nível do mar. Veja agora como a enorme barreira contra tempestades funciona neste vídeo de 20 segundos.

Corredores costeiros em torno da cidade de Nova York

O furacão Sandy de 2012 foi um grito de alerta para a Cidade de Nova York e toda a região nordeste dos Estados Unidos. Destruidor e mortal, ele também foi o furacão mais caro da história do país. Uma proposta que está sendo considerada atualmente, em parte devido ao furacão, elevaria a eco-boulevard a um novo patamar e estabeleceria os “corredores costeiros” em toda a região.

O plano permite que os terrenos baixos permaneçam ou sejam revertidos para um estado quase natural em uma série de faixas verdes que se estendem do interior até a costa. As construções em terrenos mais altos e vizinhanças urbanas existentes seriam “densificadas”. O resultado seriam corredores contíguos usados tanto para a gestão de água natural quanto para os prédios e estradas.

Megaprojeto com múltiplas finalidades em Cingapura

A cidade-estado de Singapura está protegendo seu centro contra as monções e o aumento dos níveis do mar com o Marina Barrage and Reservoir. Este projeto de megainfraestrutura estabiliza o fluxo das marés, aumenta o escoamento e reduz a área sujeita a enchentes desta cidade de baixa altitude. Ela pode servir de inspiração para outras cidades de baixa altitude, como Jacarta.

O projeto também incorporou um sistema para uma coleta de água da chuva mais eficiente, que agora atende a 10% da demanda de água potável de Singapura. Além disso, a Marina também é um novo espaço para parques, recreação ao ar livre e turismo, que aumenta a qualidade de vida da cidade.

Mais cidades aceitando o desafio

Há muitos outros exemplos de como as cidades podem lidar de forma criativa com o aumento dos níveis do mar. Alguns deles são:

  • Em Dhaka, Bangladesh, os contêineres de expedição alimentados por energia solar estão sendo usados para abrigar serviços municipais. Eles flutuam nas enchentes graças a garrafas plásticas recicladas.
  • DaNang, Vietnã, tem um programa de moradia resistente a enchentes que oferece linhas de crédito e empréstimos para que famílias mais carentes possam reformar suas casas ou construir casas resistentes a alagamentos.
  • Surat, Índia, criou um sistema de alerta precoce de ponta para alertar os moradores sobre enchentes iminentes, evitando assim o pânico quando pessoas vão para um local mais elevado.

 

Este vídeo de curta duração com uma bela animação da OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) mostra o que várias outras cidades como Copenhague, Yokohama, Toronto e Sydney estão fazendo para se adaptar às mudanças climáticas.

A proteção climática urbana como oportunidade

Vemos muitos exemplos de cidades que estão implementando tecnologias de forma criativa para enfrentar melhor as enchentes. Mas isso não é tudo: os investimentos nesses projetos de megainfraestrutura também podem ser benéficos para a fauna selvagem da região e para o ambiente, além de proporcionar mais beleza urbana e oportunidades de recreação para os moradores.

Os níveis de emprego também ganham uma força. Afinal, a infraestrutura não se constrói sozinha. Se agirmos agora, seremos capazes de proteger bem nossas cidades contra as mudanças climáticas. Também criaremos o “efeito cascata” de outros benefícios reais que, juntos, tornarão nossas cidades melhores do que nunca.

Quais medidas estão sendo tomadas por sua cidade para proteger seu futuro contra as mudanças climáticas?