Cities

URBAN HUB confere sete cidades praticamente abandonadas e esquecidas

Algumas cidades passaram por momento difíceis por diversos motivos. Algumas devido a planejamento urbano e infraestrutura ruins – como seria bom se o conceito de cidade inteligente tivesse chegado mais cedo! Alguns centros fervilhantes de atividade e vida se tornaram meras sombras do passado. Outras cidades foram literalmente exterminadas como resultado de desastres naturais ou causados pelo homem. O URBAN HUB confere as sete cidades esquecidas pelo tempo.
Cities
Inteligentes por dentro e por fora - De muitas formas, o conceito de cidade inteligente não é nada mais que um bom planejamento urbano, que incorpora os avanços da tecnologia digital e novas formas de pensar aos conceitos de cidade antigos, de relacionamentos, comunidade, sustentabilidade ambiental, democracia participativa, boa governança e transparência.
12907 visualizações

Criado em 23/08/2018

Ainda um sonho: Residencial  Francisco Hernando, Seseña, Espanha

O criador, Francisco Hernando, sonhava com habitações econômicas para famílias. Mas o barulho das crianças na rua ou qualquer sinal de vida não são percebidos nessas filas de blocos de prédios assustadoramente silenciosos. Os construtores esqueceram de incluir serviços como abastecimento de água e gás, tornando os apartamentos inviáveis! Um lindo sonho não realizado devido à falta de planejamento!

Residencial-Francisco
Residencial-Francisco

Uma cidade deserta abandonada: New Ordos, China 

New Ordos foi uma cidade planejada desde o início e idealizada como a Dubai chinesa no deserto mongol. Ela foi construída para mais de um milhão de pessoas, mas somente algumas milhares delas moram aqui. A área viveu um breve boom econômico por causa da mineração, mas agora sofre com a falta d’água, o clima extremo e poucas oportunidades de trabalho.

A ideia de “construa e eles virão” nem sempre funciona como esperado. Até mesmo algumas cidades inteligentes sofreram com isso. No caso de New Ordos, ninguém teve dinheiro para as residências de luxo e os altos impostos. Essa é uma das várias cidades sendo construídas na China que permanecem em grande parte inabitadas.

Tomada pela natureza: Pripyat , Ucrânia

Enquanto algumas cidades não dão certo devido ao planejamento urbano ruim, outras são vítimas de circunstâncias fora do controle.

Próxima da Usina Nuclear de Chernobyl, a cidade de Pripyat era a casa de muitos funcionários da usina. Quando o desastre nuclear ocorreu em 1986, a população de 49.000 pessoas foi evacuada em uma tarde. Os habitantes deixaram praticamente tudo para trás. Hoje, uma floresta cresceu pelo estádio de futebol e cervos vagam pelos prédios em ruínas.

Pripyat
Pripyat

Coberta: Plymouth , Montserrat

Algumas cidades podem tomar medidas preventivas para evitar os efeitos de longo prazo do ambiente, como o aumento dos níveis do mar. Outros ficam à mercê da natureza. A Pompeia dos tempos modernos, Plymouth, Montserrat (a capital das Pequenas Antilhas), foi desocupada em 1995 por causa de uma erupção vulcânica iminente. Dois anos mais tarde, o vulcão de Soufrière Hills entrou em erupção, cobrindo Plymouth com 1,4 metros de cinzas.

Recordação assustadora das férias: Varosha , Chipre

Varosha, no Chipre, já foi um local de férias famoso entre estrelas como Brigitte Bardot. Hoje, os corredores dos hotéis luxuosos e cassinos estão sendo provavelmente habitados por fantasmas. Quando a guerra explodiu em 1974, todos os residentes foram forçados a fugir. Desde então, é proibido entrar na cidade e ela continua a ser uma cápsula virtual do tempo da década de 70.

Varosha, Cyprus
Varosha, Cyprus

Uma ilha deserta: Ilha  Hashima, Japão

Outras cidades não conseguiram se desenvolver com os tempos incertos.

Essa ilha, agora deserta, já foi uma das áreas mais populosas do mundo, onde moravam mais de 5.000 mineradores que trabalhavam nas minas de carvão submarinas. Quando as minas foram fechadas em 1974, a ilha-cidade foi abandonada. Agora, a Ilha Hashima só é usada como cidade cenográfica ou atração turística. 

Hashima Island, Japan

Do crescimento ao colapso: Humberstone e Santa Laura, Chile 

Em meados do séc. XX, Humberstone, no Chile, foi uma cidade que viveu um crescimento acelerado, trazendo riqueza a milhares de habitantes graças à mineração e ao processamento de nitrato. Mas os residentes abandonaram a cidade devido ao lento declínio no setor, que deixou as pessoas sem empregos na mineração. Desde 1961, ela está vazia e os prédios e maquinários estão sendo desaparecendo devagar com as areias do deserto ao seu redor.

Humberstone and Santa Laura, Chile
Humberstone and Santa Laura, Chile

Glenrio , Novo México/Texas, e Texola , Oklahoma

Ainda que não sejam cidades, as imagens desses locais nas regiões do meio-oeste e sudoeste dos EUA representam a ideia clássica de uma “cidade fantasma”. Elas também são um testemunho de como a mobilidade é importante para a vida e o sucesso das cidades. Quando a I-40 ficou pronta, substituindo a lendária Rota 66, ela contornou essas pequenas cidades, que logo foram invadidas por plantas secas em vez de pessoas. 

Glenrio, New Mexico and Texas
Glenrio, New Mexico and Texas

Um novo capítulo se inicia…

Esses são apenas alguns dos exemplos de cidades que sucumbiram em momentos difíceis. Algumas delas nunca se recuperarão, outras ainda podem ser recuperadas com uma injeção de investimento e infraestrutura modernizada, ou ainda se conseguirem explorar as tecnologias inteligentes para se reinventar e crescer com as mudanças. 

Alguns exemplos inspiradores? 

  • Ordos Kanbashi na China, considerada uma grande “cidade fantasma”, ganhou um novo impulso de moradores e empresas quando foi associada à nova e promissora “Rota da Seda”.
  •  A Cidade Antiga de Hebrom foi, por muitos anos, um bairro com ruas tensas e fechadas. Agora, o Comitê de Reabilitação de Hebrom está planejando uma reviravolta, e quase 1.000 famílias já voltaram a viver no local.

É possível reverter as situações se todos nós tivermos o mesmo objetivo de tornar as cidades os melhores locais para se viver.