Cities

Cidades e neve: alcançando o equilíbrio certo para manter as ruas limpas

As crianças amam neve, seja pelos lindos flocos de neve ou pelo potencial de um dia de folga inesperado. Mas os pais, e todos os outros adultos metropolitanos, têm que lidar com as consequências logísticas da neve e sua capacidade de parar o trânsito.

Os governos das cidades enfrentam um grande desafio. Por um lado, todos querem a remoção rápida e eficiente da neve. Por outro, as preparações adequadas custam dinheiro e ninguém quer pagar por uma infraestrutura de remoção de neve usada apenas de vez em quando.

Cities
Inteligentes por dentro e por fora - De muitas formas, o conceito de cidade inteligente não é nada mais que um bom planejamento urbano, que incorpora os avanços da tecnologia digital e novas formas de pensar aos conceitos de cidade antigos, de relacionamentos, comunidade, sustentabilidade ambiental, democracia participativa, boa governança e transparência.
694 visualizações

Criado em 23/12/2016

Quanto devem custar as preparações climáticas?

Cidades que têm grandes nevascas regularmente têm um trabalho mais difícil, mas pelo menos estão sempre preparadas. O aeroporto de Helsinque (Finlândia) raramente fica fechado, afinal, neve já é uma característica normal do inverno finlandês. No entanto, coitadas das pessoas que moram onde raramente neva. Em 2016, nevou na área entre Meca e Medina pela primeira vez em 85 anos. O resultado foi caos no trânsito.

Lidar com a neve é mais difícil onde os invernos são imprevisíveis. O custo anual para a remoção de gelo e neve na cidade de Nova York, por exemplo, variou de aproximadamente 25 milhões de dólares a 130 milhões de dólares nos últimos anos. Isso se deve em parte aos custos de 3 mil equipamentos de remoção de neve e em parte à mão de obra. O pagamento de horas extras pode elevar ainda mais os valores e também serão necessários trabalhadores temporários.

Os usuários de transporte público em cidades com neve se beneficiariam com calçadas aquecidas e escadas rolantes externas com aquecimento para prevenir deslizes, e ambas essas opções facilitariam os esforços gerais de remoção. Mas, às vezes, mesmo a familiaridade com a neve não é suficiente. Em 2010, a demanda por sal foi tão alta que muitas comunidades do norte da Alemanha tiveram que se virar sem ele. Outras soluções também podem ser encontradas no âmbito privado. Em muitas empresas, os colaboradores podem teletrabalhar quando estiverem presos em casa.

Grande desafio urbano: a neve urbana está mais suja

No solo, a neve urbana pode tornar-se um perigo ambiental. O problema não está na neve, e sim em sua remoção. O sal ainda é uma solução popular em muitos países, mas o escorrimento do sal das estradas acaba prejudicando a água subterrânea e da superfície, bem como a composição química do solo, a fauna e flora e, por fim, os humanos. Em 2004, o Canadá declarou o sal das estradas uma toxina.

A neve urbana removida geralmente é repleta de lixo. Em 2015, Boston deparou-se com 1,5 metros de neve (61 polegadas) em um mês e quase o dobro dessa quantidade durante o inverno inteiro – 2,8 metros (110 polegadas). A cidade estabeleceu 11 “fazendas de neve” como áreas de despejo. Toda a neve continha 80 toneladas de lixo, indo de embalagens de bala a bicicletas.

“Algumas cidades – mesmo em países ricos e desenvolvidos – ainda lidam com o excesso de neve despejando-a diretamente em seus canais junto com todo o lixo e poluentes. Não há futuro urbano nessa ação.”

Abordagens interessantes para o gerenciamento da neve

Então, o que as cidades do mundo fazem com sua neve? A solução mais comum é o recolhimento, transporte e despejo em algum lugar. Em Minneapolis (Minnesota, EUA), por exemplo, a neve é levada para um amplo espaço de propriedade pública. Boston usa diversas “fazendas de neve” para coletar sua neve. E, se necessário, Chicago pode usar até 500 locais da cidade, indo de parques públicos a estacionamentos.

Algumas cidades pensam apenas em abrir as ruas para o trânsito. Entretanto, cidades canadenses como Montreal e Toronto também procuram manter as ruas limpas para estacionamento. Após grandes tempestades de neve, as cidades anunciam proibições de estacionamento em cada rua e fornecem vagas gratuitas na área próxima. Essa inconveniência temporária mantém as cidades totalmente livres dos montes de neve que podem ocupar vagas de estacionamento ou prender veículos azarados.

Enquanto isso, em Seul (Coreia do Sul), kits de remoção de neve estão localizados em 1.250 locais espalhados pela cidade para incentivar uma participação maior. E, em partes do Japão, sistemas de pulverização nas estradas mantêm as vias limpas usando água subterrânea aquecida. Nos EUA, a cidade de Holland, em Michigan, encontrou uma forma de construir ruas que derretem a neve usando calor residual.

Encontrar uma vaga de estacionamento pode ser difícil no inverno.
Encontrar uma vaga de estacionamento pode ser difícil no inverno.

O futuro da neve urbana

Mas, veja bem: o aquecimento global não vai eliminar o problema da remoção de neve nas cidades? Não tão rápido, dizem os especialistas. É verdade que a quantidade de neve pode diminuir, mas o aquecimento global pode até mesmo aumentar o número e a intensidade das tempestades. De toda forma, parece que a remoção da neve urbana continuará sendo um desafio por muito tempo.