Cities

A corrida por espaço urbano: Nova York cresce com a revitalização de Hudson Yards

O desafio enfrentado por muitas cidades grandes e antigas é encontrar espaço. Ninguém quer demolir belos edifícios antigos, mas os edifícios de ontem nem sempre oferecem a maior densidade necessária para empregos e residências em cidades modernas. Algumas cidades adaptam locais anteriormente destinados a fábricas ou depósitos. Nova York tinha uma área assim. O único problema era que também havia um depósito ferroviário e um pátio de trânsito essenciais em funcionamento bem no meio da região. O que fazer?
Cities
Inteligentes por dentro e por fora - De muitas formas, o conceito de cidade inteligente não é nada mais que um bom planejamento urbano, que incorpora os avanços da tecnologia digital e novas formas de pensar aos conceitos de cidade antigos, de relacionamentos, comunidade, sustentabilidade ambiental, democracia participativa, boa governança e transparência.
654 visualizações

Criado em 13/03/2019

Construindo em um terraço

A solução era óbvia: construa um terraço! Ou dois: o bairro de 11,3 hectares está sendo construído em duas plataformas, que também abrangem a estação de trem mais movimentada dos Estados Unidos, com 30 ferrovias ativas e quatro túneis de trem.

Obviamente, arranha-céus superaltos precisam de mais suporte do que isso. No total, 300 caixotões de 1,2 a 1,5 metros de diâmetro se estendem do alicerce até os terraços da estação ferroviária. Essas fundações são ancoradas a entre 6 e 24 metros de profundidade no solo e colocadas entre as faixas para permitir uma circulação ferroviária ininterrupta.

O que 25 bilhões de dólares podem comprar

Mas isso era apenas o começo. Por cima dessas plataformas e fundações, vem crescendo um espaço novo e revitalizado de cerca de 1,7 milhão de metros quadrados. É o maior projeto de construção privado na história dos Estados Unidos e custa cerca de 25 bilhões de dólares.

O megaprojeto consiste de duas fases, a primeira delas a ser concluída no segundo trimestre de 2019. O objetivo básico era criar mais espaço para a economia de Nova York crescer e utilizar melhor essa área à beira do rio privilegiada do lado oeste de Manhattan. O planejamento e o suporte municipal eram cruciais: a cidade investiu pesado na infraestrutura ao redor da obra.

Conexões integradas

O investimento municipal incluiu a extensão da linha de metrô nº. 7 para conectar Hudson Yards. Isso também significou construir uma nova estação de metrô – a primeira em Nova York em 25 anos. O popular High Line, um parque pedestre elevado, também foi estendido para contornar o lado oeste da obra.

Dentro dos edifícios do projeto, os construtores optaram por soluções de mobilidade rápidas e eficientes, incluindo o elevador TWIN da thyssenkrupp Elevator, que economiza espaço. O TWIN é o único sistema de elevador do mundo com dois carros que operam independentemente em um poço. Ele fez a sua estreia em Nova York justamente em Hudson Yards.

“Fizemos inúmeros estudos de tráfego para demonstrar que o TWIN forneceria a proprietários e inquilinos significativas economias de custo de construção e um uso mais eficiente da área útil.”
Pete Nelson Vice-presidente de Vendas NI da Unidade de Negócios Américas da thyssenkrupp Elevator

Vida urbana com tudo incluído

Atrair colaboradores e o futuro do trabalho foi essencial para vender a ideia de Hudson Yards para a cidade e para investidores. Uma cidade dentro de uma cidade bem planejada permite que pessoas vivam, trabalhem e se divertam em um só lugar, o que é especialmente interessante para jovens com horários de trabalho não convencionais e estilos de vida modernos.

Portanto, Hudson Yards conta com 4.000 residências, espaço de escritório, oportunidades recreativas, mais de 100 lojas, restaurantes, cafés e uma escola pública. Não se trata apenas de um projeto de uso misto. Hudson Yards é projetado para que ninguém precise nunca sair da área, porque tudo já está lá.

O bairro se digitaliza

A convergência de cidades inteligentes com casas inteligentes pode ser vista em sua plenitude em Hudson Yards. O Centro para Ciência e Progresso Urbano da New York University encheu o bairro com dispositivos de coleta de dados e, inteligentemente, projetou o sistema para acomodar facilmente tecnologias novas e futuras.

Além de sensores digitalmente conectados monitorando a qualidade do ar, ruído, tráfego, calor e uso de água e energia, aplicativos móveis e de residências ajudam a coletar dados sobre a saúde e as atividades dos usuários. Sistemas críticos usam tecnologia de manutenção preditiva como o MAX da thyssenkrupp Elevator, que reduz o pela metade o tempo de inatividade. Em Hudson Yards, até o solo tem sensores embutidos.

 
The hudson yard project

Preparando-se para o futuro

Muitos dos recursos de sustentabilidade de Hudson Yards também podem ser descritos como inteligentes. Uma micrograde e turbinas a gás supereficientes reduzem os gases estufa e fornecem resistência contra quedas de energia. Os elevadores TWIN reduzem o uso de eletricidade pela metade, e luzes inteligentes automaticamente economizam custos.

No total, 38 milhões de litros de água de chuva são reciclados anualmente, e calhas pneumáticas de eliminação de resíduos substituíram caminhões de lixo. Os sistemas de gestão do edifício são eficientemente conectados pela Internet das Coisas, e não surpreende que Hudson Yards tenha o primeiro prédio em Nova York com a certificação LEED Platinum.

O espaço entre viver e trabalhar

Metade da área de Hudson Yards foi dedicada a espaço público ao ar livre. Mais de cinco hectares incluem parques, jardins, parquinhos e praças, bem como um novo centro especial para artes cênicas: o The Shed. Esses espaços também se conectam com perfeição com o parque High Line e a orla do rio.

arte pública por toda parte, mas a mais predominante é na “Vessel” de Heatherwick Studio, o ponto central da praça pública no coração de Hudson Yards. Este monumento de 16 andares custou 150 milhões de dólares, mas oferece uma jornada urbana única (e gratuita) por meio de suas rampas, elevadores e 2.500 degraus.

Crescimento começa com imaginação

Como Nova York descobriu em Hudson Yards, as cidades têm muito espaço para inovar e crescer. Fronteiras fixas e estruturas existentes são desafios, mas não são problemas. Basta ter um pouco de imaginação.

Neste caso, construir uma nova plataforma foi tudo o que foi necessário para proteger a infraestrutura existente e encontrar espaço para um bairro inteiramente novo, sustentável e conectado. Na missão de criatividade de Nova York em busca de mais espaço, descobriu-se o vasto potencial da cidade em múltiplos níveis.

The Hudson Yards megaproject in New York has a smart goal.

Starchitect firms add sparkle to Hudson Yards

Kohn Pedersen Fox (KPF) provided the overall design, as well as designing 10 Hudson Yards (268 m.) and 30 Hudson Yards (386 m.), which features the highest (and breathtaking) outdoor observation deck in NYC. 15 Hudson Yards (278 m.) was designed by diller scofidio + renfro and the rockwell group, while SOM designed 278-m 35 Hudson Yards. Here are some more:

  • The Shed – designed by diller scofidio + renfro, and features mobility solutions from thyssenkrupp Elevator.
  • 50 Hudson Yards (308 m.) – designed by Foster+Partners and set to open in 2022, with 40 energy-saving TWIN elevators.
  • 55 Hudson Yards (240 m.) – designed by KPF, it links the new No. 7 subway line with 27 state-of-the-art thyssenkrupp elevators.

Image Credits 

Hudson Yards, photo by Narain Jashanmal, taken from unsplash.com 

Weehawken, photo by Sandy Ching, taken from unsplash.com

603 W 30th St., photo by James Morehead, taken from unsplash.com

Hudson Yards, photo by Gary Hershorn, taken from curbed.com