Cities

Conhecendo as entranhas urbanas – incríveis cidades subterrâneas

Se falamos de cidades grandes, já pensamos em edifícios altos subindo para o céu. Mas as cidades também têm uma infraestrutura completa no subsolo: de esgotos a túneis abandonados. Também existem mais sinais de vida subterrânea do que imaginamos. O URBAN HUB analisa as evidências – antigas e modernas – de habitações, saguões e até uma vibrante vida urbana subterrânea. Com as cidades do mundo todo cada vez mais populosas, os urbanistas estão construindo para baixo tanto quanto para cima.
Cities
Inteligentes por dentro e por fora - De muitas formas, o conceito de cidade inteligente não é nada mais que um bom planejamento urbano, que incorpora os avanços da tecnologia digital e novas formas de pensar aos conceitos de cidade antigos, de relacionamentos, comunidade, sustentabilidade ambiental, democracia participativa, boa governança e transparência.
368 visualizações

Criado em 09/01/2019

Arranha-terra vertical – Cidade do México, México

O futuro da vida subterrânea pode virar a habitação vertical urbana de cabeça para baixo. Arquitetos já desenvolveram diversos planos para arranha-terras (earthscrapers) profundos. Um deles, proposto para a Cidade do México, terá 300 metros de profundidade e é idealizado em formato de pirâmide invertida, permitindo a entrada da luz da superfície. Imagine uma cidade assim! E com as inovações de mobilidade, como o MULTI, conectividade e acessibilidade não serão problemas.

 
Vertical Earthscraper

Derinkuyu – Capadócia, Turquia

A região da Capadócia, na Turquia, é salpicada de cidades subterrâneas que datam do século 8 a.C. A maior delas, Derinkuyu, que significa “poço profundo”, é um labirinto de 18 andares com ventilação, corredores, cozinhas, poços, adega e um espaço de habitação para 20.000 moradores. Acredita-se que foi construída pelos hititas e provavelmente serviu como um refúgio durante guerras ou invasões.

Derinkuyu

PATH – Toronto, Canadá

Cidades subterrâneas modernas não têm o drama e a história de seus antecessores. Entretanto, elas alimentam nossa imaginação da mesma forma. Além disso, elas oferecem espaço extra subutilizado.

Com quase 30 km de comprimento, o PATH em Toronto declara-se como o maior espaço conectado subterrâneo do mundo. Os saguões internos ligam estações de trânsito e centenas de lojas, restaurantes e locais de entretenimento. As cidades que desejam imitar o moderno e prático centro comercial de Toronto podem se beneficiar com a instalação de soluções de mobilidade modernas como ACCEL para manter as pessoas em movimento.

Toronto

Ruas antigas – Nápoles, Itália

Nápoles incorpora todo o agito entre paredes de uma cidade moderna. É difícil de imaginar um espaço extra para respirar, quanto mais para se movimentar. É por isso que, 40 metros abaixo do solo, um mundo novo – ou muito velho – se abre. A cidade sob a cidade leva os visitantes de volta a suas origens gregas e romanas junto com ruas antigas de pedras, ruínas de um aqueduto, fachadas de lojas e um teatro romano.

Napoli Sotterranea

Crysta Nagahori – Osaka, Japão

Osaka é conhecida mundialmente como uma cidade de compras – em parte devido a suas galerias comerciais subterrâneas. Os gigantescos shopping centers no subsolo conectam-se aos principais centros de trânsito. Crysta Nagahori, que exibe um átrio com teto de vidro, riachos internos e mais de 100 lojas, é na verdade um dos maiores centros comerciais do Japão – seja acima ou abaixo do solo.

Tenjin Chikagai

Edinburgh Vaults – Edimburgo, Escócia

No fim do século 18, a South Bridge foi construída para ajudar os habitantes a chegar ao lado sul da cidade. Dezenove câmaras foram incluídas embaixo como espaço de armazenamento e oficinas para os negócios na ponte. Porém, por causa da umidade, elas foram abandonadas aos poucos e, depois, tomadas por pessoas carentes que precisavam de um lugar para morar. Devido às condições precárias, as entradas foram fechadas no meio do século 19. Cem anos depois, escavações revelaram artefatos do passado e deram origem a histórias de fantasmas. Então, entre por sua conta e risco!

Edinburgh
Edinburgh Vaults

Coober Pedy – Austrália Meridional

A Austrália tem sua parcela de elementos extremos. No caso da Austrália do Sul, são o calor e os dingos selvagens! Em Coober Pedy, conhecida como a “capital mundial da opala”, mineiros e suas famílias encontraram acomodações confortáveis e um refúgio nas terras de baixo. Habitação para 1.600 pessoas, lojas, restaurantes e igrejas surpreendentes mantêm os moradores com aconchego e protegidos do calor.

Coober Pedy

Uma extensão subterrânea em andamento, Hong Kong, China

Em Hong Kong, o incentivo para construções subterrâneas não é devido a um clima extremo, e sim a uma escassez extrema de espaço. O governo da cidade agora está apoiando ativamente os negócios para escavar as montanhas da redondeza e construir centros de dados e logística, laboratórios, reservatórios e clubes recreativos. O uso desse espaço pode liberar até 1.000 hectares.

Hong Kong Underground

Lowline – Nova York, EUA

Se Nova York pode subir, ela também pode descer. A cidade aprovou planos para o primeiro parque subterrâneo do mundo – que deve ser construído em um túnel de trem abandonado no Lower East Side. Ele contará com um sistema inovador para permitir que a luz solar entre e sustente a floresta. O projeto também irá testar novas tecnologias que garantem uma alta qualidade do ar e uma temperatura constante. O parque de um acre será um excelente estudo de caso para sustentar grandes comunidades no subsolo.

Lowline NYC

Dixia Cheng City – Pequim, China

Pequim também tem um mundo subterrâneo, embora não seja utilizado. Construída nos anos 70, Dixia Cheng estende-se por quase 80 quilômetros quadrados! Ela incluía salas de aula, barbearias, uma pista de patinação e até locais para o cultivo de plantas sem a necessidade de sol. Construída originalmente para ser um enorme abrigo antibomba, sua principal função atualmente é como atração turística.

 
Beijing Underground City

Descendo junto com as cidades do futuro

Conforme a população mundial torna-se esmagadoramente urbana, as cidades do futuro precisarão encontrar mais formas criativas e sustentáveis de usar menos espaço. Enquanto muitas ideias ainda estão somente no rascunho, parece inevitável que arranha-terras e “cidades embaixo de cidades” continuem a ganhar popularidade e serem consideradas como alternativas viáveis.