Buildings

Edifícios inteligentes da atualidade e seu futuro

O que define edifícios inteligentes? Paredes touchscreen, mordomos holográficos e seguranças robóticos são conceitos que justificariam o termo, mas não é esse o caso. A inteligência, em termos de edificações, está para o uso eficiente de energia e recursos, e também para a integração das tecnologias de automação, para maximizar sua funcionalidade e o conforto das pessoas. Eles existem, em resumo, para oferecer ambientes high-tech ecologicamente corretos e agradáveis, que permitam aos ocupantes viver e trabalhar de forma mais produtiva.

Em concursos de design é muito comum encontrar visões ousadas de arranha-céus fantásticos, mas cuja construção é inviável, por não serem realistas. O que os prédios do amanhã realmente oferecerão, então? São muitos os fatores que podem influenciar o futuro dos edifícios inteligentes, entre os quais estão programas de certificação de construções sustentáveis, tais como o LEED (Leadership in Energy & Environmental Design).

Buildings
Marcos da sustentabilidade urbana - Hoje, o planejamento urbano cria marcos futuros para cidades que transmitem novas mensagens de sustentabilidade, escolhas ecológicas e uma forma responsável de viver.
976 visualizações

Criado em 02/04/2015

Imaginando o futuro dos arranha-céus

Nos últimos anos, concursos de design de arranha-céus têm premiado conceitos que desafiam a gravidade e desconsideram as limitações estruturais dos materiais disponíveis, como bem sugere uma das recentes criações, representando um edifício flutuante.1

Josef Hargrave e Ralph Wilson, da empresa britânica Arup, apresentam em seu artigo “Imagining the Tall Building of the Future (Imaginando o futuro dos arranha-céus)”2 diversas inovações possíveis com base em tecnologias atuais, tais como fachadas que purificam o ar das proximidades, parques em passarelas suspensas, integração do transporte público, pintura fotovoltaica e concreto autorregenerável. Não, isso não é ficção científica.

Muitas dessas visões de vanguarda abordam questões ambientais, e uma organização certificadora voluntária tem sido referência para o design sustentável.

LEED - Assumindo a liderança

A LEED (Leadership in Energy & Environmental Design) é uma organização independente para o reconhecimento de construções sustentáveis, que contempla as melhores práticas da área. Edifícios com o certificado LEED provam que ‘sustentabilidade’ e ‘economia’ não são características mutuamente excludentes.

O sistema de certificação de construções sustentáveis LEED foi criado no ano 2000 pelo U.S. Green Building Council, como distinção para projetos de destaque e para incentivar a prática da sustentabilidade. A demanda do mercado por edificações ambientalmente responsáveis está crescendo, e essa iniciativa oferece aos proprietários uma projeção de seus esforços, aumentando o prestígio de suas obras.

Monica Miller é gerente de Design Sustentável na thyssenkrupp Elevator dos EUA, e possui habilitação profissional pela LEED. Ela vê neste organismo um elemento importante da inovação ecologicamente correta: “Os primeiros contemplados apontam o caminho, ao mostrar os benefícios econômicos da certificação. Isso, por sua vez, gera o aumento na demanda e à disseminação de iniciativas similares em outros mercados.”

O processo da inovação ecologicamente correta

LEED na prática

O Fraunhofer Center for Sustainable Energy Systems, em Boston, está em busca do certificado LEED Platinum. Os cientistas que trabalham na proposta pesquisam tecnologias inovadoras para edifícios sustentáveis, e o próprio projeto de restauração histórica orgulhosamente apresenta painéis solares nas janelas, paredes que absorvem e liberam calor, e elevadores – doados pela thyssenkrupp Elevator – que geram energia.

O City Creek Center, em Salt Lake City, é outro exemplo de melhoria da eficiência energética. É o primeiro shopping center dos EUA a fazer uso de um telhado retrátil para regular a temperatura, que permite converter áreas fechadas em ambientes abertos, reduzindo assim o consumo de energia para sua calefação e refrigeração. A obra, que também inclui um fluxo de água corrente com peixes e vegetação, obteve a certificação LEED Gold e foi reconhecida como o melhor projeto comercial do país em 2013.

Algumas empresas procuram promover as práticas LEED não só por meio do certificado, mas também treinando seus funcionários para que se tornem especialistas LEED, tais como os mais de 200 LEED Green Associates da thyssenkrupp Elevator, que estão aptos a auxiliar os clientes a percorrer as complexidades da certificação.

Certificação LEED da fábrica de elevadores de Middleton

A unidade produtiva da thyssenkrupp Elevator de Middleton é a primeira planta fabricante de elevadores no mundo com o reconhecimento da LEED para operações e manutenção existentes. As instalações foram construídas em 1969 e continuaram funcionando ao longo de todo o processo de certificação. Entre as melhorias implementadas no local estão o BAS (Building Automation System – Sistema de Automação Predial) incluindo o monitoramento remoto dos sistemas AVAC, a irrigação dos jardins só com águas residuais, iluminação automática e sensores de movimento, e a possibilidade de reduzir o consumo de energia caso aumente a demanda energética do estado do Tennessee, onde fica a fábrica.

Em sua melhor forma - exemplos de destaque de projetos LEED

Dando mais do que se recebe

O certificado LEED é um grande passo em direção à construção sustentável, mas há outras iniciativas que vão além. Um exemplo é o Living Building Challenge, a mais avançada medida de sustentabilidade possível da atualidade. Trata-se de um programa de certificação predial e uma ferramenta conscientizadora. Um de seus prerrequisitos é apresentar, no mínimo, um “consumo líquido de energia igual a zero”.

Para o edifício, isso não implica na desconexão da rede elétrica, mas que faça uso dos recursos energéticos de forma muito eficiente e que produza mais energia limpa do que consome.

Em 2006, o International Living Future Institute deu início ao Living Building Challenge como incentivo à construção de prédios que, em vez de somente reduzir os danos causados ao ambiente, devolvam a ele os recursos tomados. Para ser aprovado na avaliação, um prédio precisa operar por 12 meses, para provar que realmente gera energia na mesma medida em que a consome, ou mais. 

Até fevereiro de 2014 não havia nenhum arranha-céus com certificação de consumo líquido de energia igual a zero. As lições aprendidas e o conhecimento adquirido, porém, certamente repercutirão nos edifícios altos do futuro. E o URBAN HUB estará acompanhando de perto sua evolução.g.

"À medida que evoluirmos, veremos cada vez mais construções que buscam um padrão ainda melhor do que o LEED."

Monica Miller

Monica Miller, gerente de Design Sustentável, thyssenkrupp Elevator Americas

LEED Dynamic Plaque

®

O LEED tem recebido críticas por avaliar somente o desempenho projetado, o que significa que alguns edifícios apresentam, na prática, uma performance pior do que a esperada. O novo Selo Dinâmico LEED tem por objetivo resolver essa questão, oferecendo feedback instantâneo com base no desempenho atual. 

LEED Dynamic Plaque de IDEO para Vimeo. (Attribution-ShareAlike 3.0 Unported (CC BY-SA 3.0))

Credits

1 Boake, Terri Meyer Boake (2014), ‘Closing the Gap between Fantasy and Reality: Pushing Current Technologies Into the Future’, CTBUH Journal 2014 (III)

2 Hargrave, J. & Wilson, R. (2013), ‘Imagining the Tall Building of the Future”, CTBUH Journal 2013 (III)

Images of ‘Top examples of LEED projects’:

Image 1: Photograph “Empire State Building New York City” by Flickr User Anthony Quintano, Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)

Image 2: Photograph “California Academy of Sciences” by Flickr User Peter Kaminski, Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)

Image 3: Photograph “Mercy Corps Headquarters” by Flickr User Tom Byrne, Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)

Image 1: Photograph “hearst” by Flickr User Rian Castillo, Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)