Buildings

Seguindo o fluxo: o design e tecnologia dos prédios facilitam o vai e vem urbano

Não importa onde as pessoas se reúnam em grandes quantidades – em praças públicas, shopping centers, prédios comerciais ou na fila do check-in do aeroporto – entrar e sair, ir para a direita ou esquerda, subir ou descer com facilidade sempre foi primordial para a segurança e a qualidade de vida. O URBAN HUB analisa as invenções e inovações de design de prédios que mantêm todo mundo no fluxo urbano – dos lobbies abertos e portas giratórias até elevadores high-tech, pontes e soluções digitais.
Buildings
Marcos da sustentabilidade urbana - Hoje, o planejamento urbano cria marcos futuros para cidades que transmitem novas mensagens de sustentabilidade, escolhas ecológicas e uma forma responsável de viver.
422 visualizações

Criado em 18/04/2019

Mantendo as pessoas em movimento para uma vida urbana melhor

Conforme os prédios ficam cada vez mais altos, as fronteiras das cidades se expandem e as populações urbanas explodem, as cidades lutam para manter tudo organizado e funcionando. Contudo, conforme as densidades globais da população chegam no auge, o bom design e planejamento dos prédios podem ajudar a garantir que, embora nem sempre estejamos lado a lado, tenhamos um movimento livre, sem stress e com segurança.

Mesmo antes do surgimento das megacidades, os planejadores urbanos reconheceram a importância de um bom design de prédios para evitar gargalos, espaços subutilizados e perigos para a segurança. O estudo da forma de movimentação das pessoas nos prédios ou dos ambientes urbanos com tráfego intenso deu origem a soluções. A combinação deste conhecimento com inovações e tecnologia cria o bom “fluxo de pessoas”.

Simples, porém eficaz

Muitos de nós subestimamos alguns dos primeiros truques ou invenções dos arquitetos concebidos para facilitar um fluxo ininterrupto de pessoas por um prédio. Por exemplo, as portas giratórias garantem que as pessoas entrem em um edifício sem perder o passo.

A consideração da criação do acesso para pessoas com necessidades especiais e a garantia da segurança para todos os ocupantes dos prédios deram origem a outros desenvolvimentos, como as rampas, abrindo novos caminhos para entrar e percorrer um prédio. Para garantir que os prédios sejam evacuados com facilidade, mais escadas acabaram sendo instaladas em todos os cantos do prédio.

Além das considerações relativas à planta física, os gerentes de prédios também descobriram que oferecer informações rapidamente às pessoas ajudou a facilitar um fluxo ininterrupto. Por exemplo, colocar um porteiro ou um recepcionista no lobby ajudou a direcionar as pessoas aos seus destinos com mais rapidez. Sinalizações bem iluminadas e marcações no solo também permitiram que as pessoas parassem menos e andassem mais rapidamente.

Elevando o fluxo vertical de pessoas

Os prédios futuristas de hoje ainda apostam em truques simples, testados e comprovados bem como suas versões modernas para garantir o bom fluxo de pessoas. No entanto, o design e a inovação tiveram que se aprimorar para que os prédios mais altos comportassem uma maior quantidade de pessoas e diversos ambientes de construção que muitas vezes combinam moradia, escritórios, transporte público e compras sob o mesmo teto.

A invenção mais revolucionária para facilitar o fluxo de pessoas nos prédios foi o elevador. Ele fez com que as pessoas deixassem de usar as escadas e abriu as portas para prédios mais altos. Os arquitetos nunca se arrependeram disso e não é exagero dizer que o elevador é a chave para uma maior qualidade em cidades de alta densidade.

Nenhuma outra invenção foi adaptada de forma tão brilhante às populações urbanas cada vez maiores e mais diversas. O que começou como uma simples máquina hidráulica de elevação acabou evoluindo e se tornou um sistema de mobilidade crucial para o fluxo seguro e contínuo de pessoas em prédios altos.

Hoje, as versões modernas como o elevador TWIN – duas cabines independentes em um poço – economizam espaço e reduzem os tempos de espera para os passageiros. Ainda mais interessante é o elevador MULTI, que oferece múltiplas cabines independentes que operam em loop, não muito diferente de um metrô. Ele não só sobe e desce, mas também se desloca para a direita e esquerda, criando possibilidades de design totalmente novas, assim como o primeiro elevador há mais de 100 anos.

Design e tecnologia se mesclam

O que veio primeiro: o design de prédios ou a tecnologia? Desde o início dos tempos, os dois competem para criar a próxima inovação estrutural. A tecnologia abre o caminho para novas possibilidades nos prédios, enquanto o design encontra inspiração em novas invenções.

O design de prédios de antigamente concentrava-se principalmente no fluxo horizontal de pessoas ou no planejamento do piso térreo. As soluções foram lobbies abertos com vários pontos de acesso e o planejamento de diversos “corredores” para o fluxo de pedestres. As escadas rolantes ajudam a tornar os foyers de vários andares mais atraentes e as esteiras rolantes em locais como aeroportos aceleraram a circulação horizontal.

A concepção de projeto para a circulação vertical exigiu um pouco mais de criatividade. A tecnologia do elevador pode levar as pessoas para cima em segundos, mas certos incentivos podem ajudam a garantir que todos os andares de um prédio sejam usados para evitar que os visitantes fiquem centralizados no térreo. “Destinos-âncora reunidos” é uma técnica de distribuição de ofertas públicas em diferentes andares para explorar um prédio verticalmente.

Um ótimo exemplo: a sede da Amorepacific por David Chipperfield em Seul. Um recorte de átrio no centro da estrutura cria um monumento chamativo. As galerias de arte e restaurantes espalhados pelos quatro andares fazem com que o público aproveite totalmente a estrutura. Os elevadores TWIN garantem que as idas e vindas sejam curtas e eficazes.

Ao unir os fluxos vertical e horizontal, elevadores pioneiros como o MULTI permitirão formas de prédio totalmente novas. Um núcleo de serviços de um prédio não precisa mais ficar reto do topo ao chão. Esses elevadores podem virar em ângulos retos, oferecer transporte ininterrupto por pontes e ainda propiciar acesso direto às paradas de transporte público no subsolo.

Um fluxo digital

A observação de como nos deslocamos e por qual motivo o fazemos tem sido fundamental para canalizar o fluxo dos pedestres. Os dados e tecnologia digital melhoram o planejamento de forma vertiginosa, especialmente ao disponibilizar respostas adaptáveis em tempo real, como nas estradas com tráfego de automóveis.

Vamos usar como exemplo o sistema de manutenção preditiva MAX para os elevadores. Esta solução inteligente de IoT de mobilidade e machine-learning funciona de forma eficiente para reduzir os tempos de parada dos elevadores ao fornecer diagnósticos em tempo real. Ele prevê quando as peças precisarão ser substituídas, solucionando os problemas antes mesmo de eles surgirem.

Em geral, a digitalização pode ajudar os planejadores a prever os padrões de uso e tráfego em um prédio, permitindo mudanças adaptáveis e criando soluções de mobilidade, como os otimizadores de elevador. As fontes de informações digitalizadas, como apps e telas sensíveis ao toque, também reagem melhor às necessidades dos visitantes quando eles entram no prédio, substituindo os porteiros e recepcionistas. Além disso, os sistemas de controle de mobilidade, acesso e evacuação podem ser todos unificados em uma plataforma.

Nosso (conveniente) futuro urbano

As cidades são locais entusiasmantes para se estar, e seus prédios serão, cada vez mais, lugares em que a maioria das pessoas vive, trabalha e se reúne. Uma coisa boa das soluções de design de prédios e tecnologia é que elas estão mudando com o tempo, garantindo um fluxo de pessoas com facilidade e menos stress possível nos espaços urbanos.