Buildings

Linhas cruzadas, zigue-zague e losangos: um design arquitetônico ainda anônimo

Desenhos em “X” ou losangos, linhas convergentes e padrões entrecruzados ou em zigue-zague — todos nós já vimos edifícios modernos que usam linhas e ângulos de formas interessantes, sejam eles estritamente organizados ou mais aleatórios e espontâneos. Essas linhas em zigue-zague e esses ângulos salientes podem ser uma característica da fachada ou parte da estrutura de um edifício. Mas como devemos chamar esses elementos de design arquitetônico e como podemos dividi-los em subgrupos?
Buildings
Marcos da sustentabilidade urbana - Hoje, o planejamento urbano cria marcos futuros para cidades que transmitem novas mensagens de sustentabilidade, escolhas ecológicas e uma forma responsável de viver.
506 visualizações

Criado em 09/05/2019

Ângulos lúdicos e linhas cruzadas

Os arquitetos adoram exibir sua criatividade divergindo das formas típicas de arranha-céus retangulares, blocos de apartamentos e casas quadradas.

Uma maneira de fazer isso é concentrar-se mais na curvatura, nos cantos arredondados e nas linhas onduladas. No entanto, não é necessário abandonar os ângulos se você quiser ser criativo. Muitos arquitetos estão brincando com ângulos, zigue-zagues e linhas entrecruzadas de maneiras novas e empolgantes.

Alguns apontam para a falecida arquiteta Zaha Hadid e sua empresa como os responsáveis por popularizar essa nova abordagem de ângulos e linhas na arquitetura. Porém, você verá nos exemplos abaixo que muitos arquitetos desempenharam um papel, cada um dando um novo toque exclusivo às formas tradicionais.

O padrão de losango ou diamante

Muitos edifícios possuem janelas, estruturas ou fachadas de vidro dispostas em um padrão de losango ou diamante. O padrão pode ser usado tanto em fachadas planas quanto curvas. O arquiteto italiano Massimiliano Fuksas usou essa técnica na fachada de vidro do shopping center MyZeil, em Frankfurt, na Alemanha, para criar um contraponto linear e geométrico à curvatura das ondas de vidro que fluem dramaticamente em torno das escadas rolantes da thyssenkrupp Elevator.

A fachada do Twelve Architects em um prédio da universidade de Sheffield oferece um exemplo impressionante do padrão de losangos em um edifício quadrado. Sua fachada pega o padrão básico de diamante e o mistura com diamantes maiores e menores de uma maneira que parece extremamente organizada e aleatória ao mesmo tempo.

O edifício Diamond, por Twelve Architects
O edifício Diamond, por Twelve Architects

A letra número 24: X

O X aparece em muitos edifícios, não apenas por sua beleza simétrica, mas também por sua estabilidade estrutural. O Bank of China Tower em Hong Kong apresenta um número diferente de Xs em cada lado, no que talvez seja um dos maiores e mais altos Xs do planeta.

O “suporte em X” é geralmente uma tática de engenharia estrutural para transferir cargas para colunas externas, reduzindo assim a carga lateral e criando mais espaço dentro de um edifício. Além de ser funcional, o suporte em X pode ser usado como um recurso de design impressionante, como o suporte em X característico da John Hancock Tower em Chicago.

O zigue-zague

Muitos edifícios apresentam um padrão em zigue-zague na fachada ou como uma característica da própria estrutura. A BIG Architects, por exemplo, projetou recentemente o Hotel des Horlogers, que está atualmente em construção em Le Brassus, na Suíça. O seu telhado inclinado em zigue-zague permite que os esquiadores iniciem a descida do telhado do hotel e continuem a descer a encosta.

Até mesmo os arranha-céus apresentam zigue-zagues: o Tour Carpe Diem em La Défense, em Paris, tem um zigue-zague proeminente que serpeia para a esquerda e para a direita, começando do chão e subindo até o 36º andar.

Mikado – Linhas de interseção irregulares

O “Mikado” envolve a incorporação de linhas artisticamente arranjadas, que parecem arbitrárias de certos ângulos, como um jogo de varetas Mikado jogados no chão. Ele pode criar um efeito visual impressionante na fachada de qualquer edifício, realçando até mesmo os designs mais simples.

As linhas do Mikado também podem ter um significado simbólico. As linhas da Biblioteca Pública del Estado Juan José Arreola, em Zapopan, no México, por Federico González Martínez, representam as 17 línguas indígenas ainda faladas no México, além de cinco linhas adicionais que representam línguas que desapareceram desde então.

Mas, além da fachada, o espaço tridimensional dentro dos edifícios também pode ser inspirado pelas linhas do Mikado. Basta ver, por exemplo, o interior do Museu de Arte de Tel Aviv, que oferece uma nova interpretação das linhas e espaços interiores.

A Saliência – Ângulos dramaticamente protuberantes e agudos

Muitos edifícios estão começando a apresentar ângulos dramáticos que se projetam em espaços abertos ou no céu. Esses ângulos agudos podem simplesmente fornecer abrigo da chuva ou do sol na entrada de um edifício, e às vezes eles chegam até as nuvens, perfurando-as.

Varandas pontudas são exibidas na frente das VM Houses, feitas por BIG e JDS em Orestad, Dinamarca, enquanto o telhado saliente do Kilden Performing Arts Center, feito por ALA Architects em Kristiansand, Noruega, recebe os hóspedes com uma surpreendente cobertura dourada.

Talvez o exemplo mais empolgante de uma construção com saliência seja The Antwerp Port House, por Zaha Hadid, concluído postumamente em 2016.

Estruturas cruzadas e em zigue-zague

Os projetos de design mais ambiciosos podem ser encontrados em edifícios cujos elementos estruturais realmente se cruzam ou se interceptam com outros elementos estruturais. The Interlace em Cingapura é um exemplo premiado de estruturas cruzadas. Edifícios como estes, que não possuem um único núcleo reto, são candidatos perfeitos para um sistema MULTI, no qual vários elevadores podem se mover tanto vertical quanto horizontalmente.

The Interlace, por OMA e Ole Scheeren
The Interlace, por OMA e Ole Scheeren

The Cross Towers da BIG, em Seul, é um exemplo impressionante de grandes estruturas que se cruzam e se interceptam nas alturas em grandes torres. O projeto assemelha-se a uma versão em pequena escala do Conceito de Cidade Suspensa por Kostas Poulopoulos. The Cube Houses, em Roterdã, de Piet Blom, estão aparentemente interconectadas, criando um teto em zigue-zague, além de serem sustentadas por palafitas. Finalmente, o interior do Dominion Office Building, em Moscou, na Rússia, da Zaha Hadid Architects, exibe escadas que cruzam o átrio.

Image Credits:

The Diamond, University of Sheffield, photo by John Robinson, taken from flickr.com 

HK Bank of China Tower, photo by unknown, taken from wikimedia commons.org

John Hancock Tower Chicago, photo by PaulVIF, taken from wikipedia.org

Barcelona – Hotel Arts, photo by unknown, taken from wikimedia commons.org

Tel Aviv Art Museum, photo by Aleksandr Zykov, taken from wikimedia commons.org

John Hancock Center, photo by unknown, taken from wikimedia commons.org

Diagonal Zero Zero, photo by unknown, taken from wikimedia commons.org

Barcelona – Torre Diagonal ZeroZero, photo by unknown, taken from wikimedia commons.org 

Jimbocho theater, photo by unknown, taken from wikimedia commons.org 

VM House, photo by unknown, taken from wikimedia commons.org

Royal Ontario Museum, photo by Aviad2001, taken from wikipedia.org

Havenhuis Antwerpen, photo by Torsade de Pointes, taken from wikipedia.org